quarta 23 setembro 2020
Especial

ESPECIAL - Ritual umbandista no casamento de empresário com bancária

O empresário Rafael Spina e a bancária Beatriz Alves Baptistela tornaram-se marido e mulher. O casamento aconteceu no dia 15 de fevereiro, na Estância Arara Azul, na Estrada Vicinal Cândido Donda, na zona rural de Jales.
Ele é filho de Márcia Alves Baptistela e Celio Benedito Baptistella e ela, Suely Regina Zaccas Spina e João Paulo Spina. 
A união teria sido como tantas outras não fosse um fato pouco comum—os noivos escolheram o ritual umbandista para marcar aquele momento especial de suas vidas. A cerimônia foi celebrada pela mãe de santo Ellen Saes  e pelo cambono Nilson Toscano.
O Jornal de Jales apurou que a cerimônia foi umbandista porque é a religião dos noivos. Rafael frequenta a Casa Pai Gabriel há quatro anos e se aproximou inicialmente por curiosidade e pela vontade de conhecer algo novo.” No início relutou um pouco pelo preconceito social com nossa  religião, mas depois se apaixonou pelos nossos valores. Quando começou a se relacionar com Bia, apresentou a religião a ela, que se encantou”, disse a mãe de santo.
 A cerimônia teve muitos ritmos e pontos (músicas), que tinham a ver com cada momento. Na ocasião, foram louvados principalmente Xangô e Oxossi, que são os orixás da justiça e da inteligência, forma que o ritual estabelece para desejar votos para o casal. 

ESTRUTURA
Ouvida pelo Jornal de Jales, a celebrante do casamento explicou que a umbanda é uma religião brasileira e bem jovem, tendo apenas 110 anos. “Nós, umbandistas, temos como foco dos nossos trabalhos a caridade traduzida em ajuda ao próximo sem qualquer distinção de raça, cor ou credo e sem pedir nada em troca”, acrescentou. 
Segundo ela, os trabalhos são abertos com louvação a Deus, Jesus Cristo e Santos, chamados na umbanda de Olorun, Oxalá e Orixás, respectivamente.
“Depois de muita reza, acontece a incorporação das linhas que trabalhamos e assim damos início ao atendimento da assistência, que são as pessoas que vão ao centro em busca de ajuda/conselhos”, afirmou em tom didático.
Ainda de acordo com ela,  a estrutura hierárquica é composta por mãe de santo, que  comanda os trabalhos; médiuns, que recebem as entidades; ogãs, que tocam o atabaque; e cambonos, que auxiliam o andamento do trabalho.
A direção da Casa Pai Gabriel declarou-se feliz com o convite para realizar a cerimônia. “Aquela festa tão bonita cheia de amor permitiu às pessoas que não conheciam a religião saber um pouco mais também mudar a má visão que quem não nos conhece tem “, concluiu a celebrante. 

Desenvolvido por Enzo Nagata