jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Erro zero

por Lucas Rossafa
11 de setembro de 2017
Lucas Colombo Rossafa
Após quinze dias de recessodevido à data Fifa, o Santos terá pela frente a semana mais decisiva da temporada até o momento. Na tarde deste domingo, o Peixe recebe o Corinthians, na Vila Belmiro, a fim de diminuir a diferença do líder para nove pontos e, na quarta-feira, mede forças com o Barcelona, em Guayaquil, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa Libertadores da América.
Para alcançar dois bons resultados, é preciso fazer quase tudo diferente daquilo que tem sido feito no sistema ofensivo. Nas últimas cinco partidas, foram apenas dois gols marcados, diante de Atlético-PR e Cruzeiro, além de três empatados consecutivos sem gols. Agora, balançar as redes é algo vital para manter-se vivo nas duas competições. Um aproveitamento satisfatório neste setor passa, obrigatoriamente, pelo bom desempenho de Lucas Lima e/ou pela efetividade dos pontas Bruno Henrique e Copete. Sem isso, dificilmente o contestado Ricardo Oliveira terá claras condições de finalizar. O Pastor, na verdade, só não é opção no banco de reservas por falta de qualidade dos substitutos.
Se o ataque preocupa, a defesa tem uma das melhores médias do ano no país – um gol sofrido nos últimos cinco confrontos. No entanto, isso não pode ser motivo de tantas comemorações. Com Victor Ferraz e Zeca mal, apesar do bom entrosamento entre os zagueiros, o Alvinegro Praiano tem sofrido muitas finalizações. Tanto é que o melhor goleiro em atividade no futebol brasileiro, Vanderlei, é destaque com frequência. O grande problema deste cenário é ser dependente dos milagres do camisa 1. Quando o time estiver mal e o arqueiro não estiver inspirado, tudo pode ir por morro abaixo.
Por outro lado, apesar de sofrer de forma anormal, o Peixe tem conseguido os seus objetivos, o que faz o torcedor santista confiar. Aos poucos, o time de Levir Culpi tem se tornado cada vez mais cascudo, o que é fundamental na Libertadores. Arrancou três empates como visitante na fase de grupos, sendo dois na altitude – em La Paz, teve um jogador a menos por 68 minutos e ainda contou com um pênalti desperdiçado pelo adversário. Situações como as citadas fazem com que o elenco ganhe muita moral para seguir adiante.
Apesar de os equatorianos de Guayaquil terem eliminado o Palmeiras na fase anterior, o Santos tem ligeira vantagem no confronto. Teoricamente, o Peixe tem um time de mais qualidade, mas no futebol nem sempre o melhor vence. Diferenças técnicas à parte, os brasileiros precisam ser ofensivos, mesmo fora de casa. Até porque o adversário tem encontrado dificuldades para propor o jogo quando atuacomo mandante – são duas vitórias, ambas no sufoco, sendo uma contra o Verdão no último minuto, um empate (1 a 1) e uma derrota por 3 a 0.
Os primeiros dias desta semana serão de fortes emoções para a naçãopraiana. As próximas horas, para quem é apaixonado por futebol e por um time, são tão esperadas quanto os grandes eventos esportivos mundiais. Aliás, não é sempre que se tem um clássico contra o maior rival e uma decisão de Libertadores em tão pouco tempo. Se no Campeonato Brasileiro as chances de títulos são remotas, conquistar o tetracampeonato continental e se tornar o maior brasileiro a faturar a competição é uma realidade aceitável.
Chegou a hora da verdade, torcedor santista! O momento é o de separar os homens dos meninos.E o erro, neste instante,tem de ser zero.

Lucas Colombo Rossafa
 (jalesense, aluno do 3°ano de jornalismo da  PUC/Campinas)