jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Emoção na comemoração dos 100 anos da Dona Janda

por Josiane Bomfim
16 de julho de 2018
Aos 100 anos, dona Janda teve fôlego para soprar a velinha alusiva à efeméride
Ao completar 100 anos, no dia 4 de julho, Jandyra Graziani Polizio recebeu uma das mais calorosas demonstrações de carinho e afeto por parte de familiares, amigos e de todas as pessoas que aprenderam a admirá-la.
A chácara da família, aprazível recanto na Subida Preta, serviu de cenário para um almoço comemorativo, no último domingo, dia 8, que teve sabor de efêmera.
Dona Janda e seu marido Osvaldo Polizio, 102 anos, começaram a passar pela história da cidade há 53 anos quando fundaram o Lar São Francisco de Assis.

Fotos: Josiane Bomfim 

Amor aos 100 anos:  casal conta segredos para chegar ao centenário
Leila Menezes  (do jornal virtual “Metrópoles”, de Brasília)

Não há ação do tempo que impeça o romantismo de Oswaldo Polizio.  Aos 102 anos, mesmo com dificuldades de locomoção, ele colhe flores no jardim para dar à mulher, Jandyra, que nesta quarta-feira (4/7) completou 100 anos. Juntos há quase sete décadas, eles contam como chegaram tão longe: com gentilezas diárias, bom humor e respeito.
A beleza do que encontra pelo caminho não seria a mesma para Oswaldo sem dividi-la com a companheira. Enquanto ela assiste televisão, ele entra pela porta com presentes trazidos do jardim. O ato de carinho, após 69 anos de casamento, ainda a emociona. Em seguida, eles assistem TV de mãos dadas.
O gesto é a maneira que Oswaldo encontrou para agradecer à companheira pelo convívio gentil. “Nunca vi uma palavra atravessada, uma discussão grosseira, entre eles. O segredo dessa relação tão bonita é a leveza, o bom humor, os dois riem juntos”, relata o filho único do casal, Oswaldo Júnior.

Deu match!
Jandyra era professora, mulher de pulso firme, com personalidade reservada e amante dos livros. Oswaldo trabalhava como topógrafo, figura alegre, expansiva, de riso fácil, que gostava de dançar. Ele conhecia o pai dela e passou a frequentar a casa da família, em Mirassol, interior de São Paulo. Costumava buzinar na frente da escola onde Jandyra lecionava para chamar sua atenção. Até que ela deu-lhe uma chance e os dois nunca mais se separaram.
O casal fez a vida em Jales (SP). Eles queriam uma família numerosa, mas tiveram um filho apenas. Adepta do espiritismo — a religião valoriza a caridade — Jandyra fundou um lar para órfãos. Ajudou a criar mais de 100 meninos e meninas da região.
Muitos deles tiveram em Jandyra e Oswaldo o único exemplo de amor e família. Os centenários ainda recebem visitas de pessoas que passaram pela casa. Atualmente o Lar Transitório Francisco de Assis mantém projetos sociais com auxílio a gestantes e aulas de esporte para crianças.
A bondade que espalharam retornou à família em forma de bênção, acredita o filho, Oswaldo. “Eles sempre procuraram fazer o bem ao outro, isso gera uma qualidade de vida muito grande”, diz. Jandyra e Oswaldo tornaram-se exemplo para as gerações seguintes de familiares. “Admiramos muito o carinho, compreensão, atenção e afeto entre eles. É um amor incondicional, muito puro”, diz a nora, Angélica Polizio.
Os dois já não dançam mais juntos. Jandyra fraturou a bacia e usa cadeira de rodas. Oswaldo também caiu e machucou a perna. A pele não é a mesma da juventude, a memória começa a falhar, enquanto a audição vai embora. Nada disso distancia os dois. Enquanto houver um novo dia, Jandyra e Oswaldo estarão lado a lado no sofá, com direito a flores e dedos entrelaçados, para celebrar a história que escrevem a quatro mãos.