jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

É preciso mudar

MUDAR PARA CRESCER
01 de abril de 2014

Lembro de uma frase que dizia o seguinte: “Se você está com dor e  não procurou ajuda é porque ainda não sofreu o suficiente“.

Estava desenvolvendo um trabalho numa empresa onde a cultura da resistência às mudanças era terrível.

Não eram mudanças radicais, como cortes de pessoal, dispensas, mas mudanças nos métodos de trabalho, a fim de obter melhores resultados.

É muito comum encontrarmos empresas que trocam de profissionais a cada seis meses sem se dar conta que isso só reforça a desordem estabelecida.

Quando uma empresa passa por esse problema a chegada do novo profissional vira motivo de apostas  para ver quem acerta quanto tempo dura o novo contratado.

O ser humano é capaz de adiar uma visita ao dentista, indo apenas quando a dor  é insuportável. Se ele faz isso com o seu próprio corpo, por que não faria isso na gestão empresarial?

Quantas vezes não nos deparamos com profissionais que não mudam de opinião nem quando correm o risco de perder o emprego ou a própria empresa? Definitivamente é  a sensação  de desconforto com as mudanças que os  leva a serem tão resistentes.

As conseqüências podem ser muito sérias, como perda de mercado, complicações financeiras e até falência, dependendo da situação que a empresa se encontra.

Há alguns meses estive em uma reunião com dois empresários, um deles extremamente resistente, que  priorizava avaliar as possibilidades de equacionar suas dívidas. O menos resistente dizia a mim e a seus advogados: “O que não gastamos em organização estamos gastando para não irmos  à falência. Isso poderia ter sido evitado”.

A posição de caixa e dos balanços mostrava claramente que financeira e economicamente a empresa tinha se complicado bastante,  já há um bom tempo.

Nenhuma empresa entra em crise da noite pro dia, há sempre um período agonizante antes que se enfrentem as conseqüências do desastre.

Você está  sentindo desconforto  na gestão de sua empresa? Avalie com serenidade a razão. Converse com pessoas que tenham experiência no assunto.

Não permita que a insensatez o leve  a tomar decisões erradas.   

Flávio Oliveira
(Gestor financeiro e tributário de empresas flavio.oliveira.empresas@gmail.com)