VESTIBULARES

É agora, professor?

ois é... os vestibulares terminaram, as listas e chamadas foram divulgadas, a ansiedade e o medo se foram... mas, e agora professor? O que faremos daqui em diante? São as poucas e rápidas questões que passam pela cabeça dos estudantes neste momento. 
Porém, do lado do professor também transitam sentimentos bipolares. Não pense que não ficamos apreensivos, ansiosos e aflitos. Quando as listas são divulgadas, não dá para buscarmos os nomes dos alunos e alunas porque são muitos e as listas contêm milhares de nomes. Portanto, o que nos resta é esperar aquela divulgação nas redes sociais.
Ao passo que as postagens com textos e fotos começam a aparecer na timeline do professor, o coração explode de emoção e alegria. Fica aquele sentimento de dever cumprido. Mas, sempre vem na mente um ou outro aluno que ficamos aguardando se haverá alguma manifestação positiva.
Por isso que, findada a primeira chamada, as duas pontas de sentimentos eclodem. De um lado a conquista dos alunos; do outro a não aprovação. Realmente, não é  fácil. Mas, enquanto professor, a gente acaba se adaptando  (nunca se acostumando) a enfrentar essa situação. A minha preocupação real mesmo é com os alunos e alunas. 
Para os que conseguiram, há um misto de emoção, gratidão, alegria e felicidades. O momento é para isso mesmo. Expresse-os o máximo possível. Poste nas redes sociais, mande mensagem para aqueles que contribuíram para a vitória e mentalize energias positivas para a nova fase da vida. Mas, muita atenção: programe as datas e separe os documentos de matrícula porque os prazos são improrrogáveis.
Já o outro lado da história é dolorido. Afinal, passa pela cabeça o tremendo esforço e dedicação sem o objetivo alcançado. De fato, é uma situação bastante delicada. 
No entanto, o primeiro recado que eu dou para esse aluno e para essa aluna é que ainda existe uma luz no fim do túnel. Acesse os sites dos vestibulares e SISU todos os dias porquê as listas rodam e muito. As convocações e confirmações de matrícula também são imediatas. Logo, a máxima atenção é pouco nesse momento. 
Outro recado que transmito é que curar essa situação requer reflexão e calma. Se você teve dedicação e empenho, pense que o sistema excludente do vestibular não permite que 10% dos candidatos ingresse numa universidade. Jamais essa culpa pode ser debitada em você. 
Dessa forma, aproveite as próximas duas semanas para essa reflexão com muito Netflix e brigadeiro de panela. Depois, sacode a poeira que o professor vai estar lá te esperando para buscar essa vaga novamente. 
Afinal, não há demérito em se empenhar quantas vezes for necessário para cursar a faculdade e ter o emprego que sonha.

Eduardo Britto 
(Professor de Geografia do Colégio e Curso Objetivo de São Paulo, graduado pela UNESP, especialista em Gestão Ambiental pela UFSCAR e Mestre em Ensino de Ciências pela UFMS)
Desenvolvido por Enzo Nagata