Observatório

Dia de futebol

Hoje acontecem os dois jogos pelas semifinais do Campeonato Paulista de Futebol. O Santos enfrenta o São Paulo e o Palmeiras enfrenta o árbitro, digo, o Corinthians. Háháhá. Como diria um torcedor da Ponte Preta: “Caiu em Itaquera, o juiz opera”. Háháhá.
Membros do PT Brasil afora avaliaram que as manifestações do ultimo domingo, 12, teriam sido um fracasso. Caramba! Protestos em mais de 200 cidades de 24 estados e Distrito Federal. Número de manifestantes: 700 mil, segundo a polícia militar e o dobro disso, segundo os organizadores. Isso é um fracasso? Será que eles falam sério? Será que pensam isso mesmo? Não é possível que gente inteligente e instruída, como alguns que conheço,pode pensar assim. Eu acho que eles falam isso de brincadeira. Háháhá.  Eu sinto a tal da vergonha alheia.Háháhá. Fracasso foi a convocação do ex-presidente Lula, junto com UNE e CUT (financiada com o imposto sindical desse ano), que reuniram ridículos 400 manifestantes em São Paulo cinco dias antes. Até o presidente Michel Temer, digo, vice-presidente; reconheceu a importância do ato do dia 12.
Um bom exemplo para nossa cidade. No último dia 10 de abril aconteceu em Fernandópolis o Dia da Confraternização do Município. Estiveram no Plaza Eventos representantes de mais de cem organizações e representaçõescomunitárias e associações, inclusive religiosas, representadas em mais de 70 stands espalhadas pelo salão de eventos. O evento foi organizado pela Associação de Amigos daquela cidade, similar ao nosso Fórum da Cidadania, presidida pelo Jesial Macedo. Uma verdadeira vitrine para a cidade. Mais de 800 pessoas compareceram. Inclusive vários prefeitos da região, deputados e representantes de deputados. Até nosso prefeito Pedro Callado lá esteve.
Semana passada a minha ex-colega de trabalho, a competentíssima e gente boaprofessora Fatima Boton escreveu um artigo publicado neste Jornal de Jales onde cita várias vezes o meu nome. Então vejamos. Escrevi aqui no dia 27: “as necessidades são muitas: baixos salários, condições de trabalho às vezes lamentável, desvalorização da profissão, enfim, há muito mesmo que reivindicar. Só não dá para começar com uma suposta cobrança de reajuste de 75%. Aí é brincadeira! Isso cheira a politicagem barata... Aos já conhecidos problemas de violência, indisciplina e dificuldades de aprendizagem, juntou-se agora o advento do Whatsapp. Devidamente incorporado por alguns professores”. Vamos lá: Quando escrevi sobre a adesão de alguns professores ao Whatsapp, nada inventei. E eu não entendo a dificuldade em admitir que não somos uma categoria acima do bem e do mal. Ainda bem que professores medíocres são uma exceção, mas existem. Assim como médicos açougueiros são uma exceção. Juízes e policiais corruptos são uma exceção. Mecânicos que nos roubam inventando defeitos em nossos carros são uma exceção. É triste eu precisar escrever uma obviedade dessas. Quanto à Apeoesp: a presidente do sindicato, uma tal de Isabel, na campanha presidencial de 2010, em fala aos professores em greve àquela época disparou:  ”Esse senhor [José Serra] não vai ser presidente do Brasil. Estamos aqui para quebrar a espinha dorsal desse partido e desse governador”. No mesmo dia esteve no palanque da candidata Dilma. Quem estava no palanque não era a Isabel, mas a presidente da Apeoesp. Esse é apenas um dos episódios nos quais essa senhora já esteve envolvida e que mostra bem a diferença entre fazer política, inerente às relações humanas, e fazer politicagem. E chega!
Por hoje é só. Tchau!

Fábio César Fiorani
Professor de Inglês, graduado pela FAI-Jales e pós-graduado em Língua Inglesa pela UNESP de São José do Rio Preto - Franqueado CCAA em Jales.
jales@ccaa.com.br

Desenvolvido por Enzo Nagata