Arquibancada

Despedida de uma promessa

Titular absoluto do São Paulo desde o início de 2019 e uma das maiores promessas reveladas em Cotia nos últimos anos, o garoto Antony se despediu do Tricolor nesta última semana. Vendido ao Ajax em fevereiro por € 15,750 milhões, o atacante permaneceu na equipe do Morumbi até o fim do primeiro semestre, jogou apenas quatro partidas em virtude da pandemia do novo coronavírus e será desfalque de peso para a sequência da temporada.

Rápido e habilidoso, o camisa 11 era uma das poucas peças do time que tinha como característica o drible para romper a defesa adversária, algo fundamental no esquema tático do técnico Fernando Diniz. O treinador não tem no elenco uma peça de reposição a altura com as mesmas características.

Em gravíssima crise financeira, o São Paulo vai usar o dinheiro da venda de Antony para pagar dívidas, acertar os salários atrasados do atual grupo de jogadores, e a comissão técnica terá que se virar com as peças que já tem à disposição.

Algumas das opções para substituir o atacante são Pablo, Everton, Helinho, Brenner e Toró. Além deles, Gonzalo Carneiro será reintegrado um ano depois de ser flagrado no exame antidoping e, Rojas, em recuperação de duas cirurgias no joelho, poderá ser mais uma peça ofensiva nos próximos meses.

Destes atletas, Everton e Helinho são os que mais se aproximam das características de Antony, mas no momento são pontos de interrogação para Diniz. Os dois sofrem com muitos problemas físicos desde a última temporada e não conseguem se firmar. Rojas seria a peça ideal para o lugar do ex-camisa 11, mas não entra em campo desde 2018.

Neste cenário, Pablo aparece como a opção mais óbvia para ser titular da equipe, mas com característica de jogo completamente diferente. Centroavante de origem, o jogador se movimenta muito menos que Antony e não tem o drible como ponto forte. O camisa 9 chegou a atuar como ponta em algumas oportunidades nesta temporada, mas se destacou apenas no último jogo antes da pandemia, quando balançou as redes duas vezes e foi decisivo na vitória diante do Santos.

A missão de Fernando Diniz não é fácil e a certeza é que Antony fará muita falta ao São Paulo. Com Campeonato Paulista, Brasileirão, Libertadores e Copa do Brasil para disputar quando o futebol voltar, será preciso que o treinador quebre a cabeça e encontre uma solução para que o time continue jogando bem mesmo sem um dos seus principais jogadores.

Eduardo Martins

 (jalesense, aluno do 4° ano de jornalismo da PUC-Campinas) 

Desenvolvido por Enzo Nagata