jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

DEPOIS de um período de vários anos com a dengue se transformando em verdadeira epidemia, em todos os períodos chuvosos...

Contexto
17 de fevereiro de 2019
DEPOIS 
de um período de vários anos com a dengue se transformando em verdadeira epidemia, em todos os períodos chuvosos, o problema deixou de preocupar, reduzindo os casos quase a zero, como vinha acontecendo nos últimos anos.

ALGUNS 
especialistas dizem que essa tranquilidade é cíclica e que quando o mosquito desaparece não dá para esquecer, deixando de lado as preocupações com a prevenção que precisa ser cada vez mais intensa.

ISSO 
porque quando ele reaparece vem com força total, causando novas epidemias, normalmente com um número ainda maior de casos, podendo se repetir nos anos seguintes, mesmo com as costumeiras campanhas de combate, com equipes da Vigilância Epidemiológica procurando larvas em tudo quanto é canto.

AINDA
é um pouco cedo para se afirmar que isso já está acontecendo em Jales, mas em muitas cidades, principalmente do Estado de São Paulo, o aumento vertiginoso de casos, com novas epidemias, volta as ser alarmante, exigindo um grande esforço das populações dessas localidades para tentar amenizar o problema. 

EM
Jales, os casos de dengue que praticamente tinham desaparecido, começam a voltar e estão aumentando rapidamente, preocupando as equipes da Prefeitura responsáveis pelo trabalho de prevenção e combate à dengue e outras doenças transmitidas pelo aedes aegypti, como a zika e chikungunya.

COM 
18 casos positivos autóctones já confirmados em 98 notificações dos quais muitos ainda aguardam o resultado dos exames, enquanto outros já foram descartados, Jales vai aos poucos se aproximando dessas localidades onde a epidemia já está mais uma vez estabelecida, mesmo que na nossa cidade, para que seja considerado caso de epidemia é necessária a confirmação de 148 casos autóctones.

A SEMANA 
estadual de mobilização contra a dengue serviu para o alerta e agora espera-se que a população toda passe a colaborar, com as recomendações de sempre, principalmente evitando água parada, mesmo porque o índice de larvas do aedes registrado em Jales é de 3,4%, bem acima de 1% que é o considerado satisfatório pelo Ministério da Saúde. (Luiz Ramires)