jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Denise Pinheiro Soncini da Costa e o simpósio nos Estados Unidos

“A pesquisa é uma área fascinante e desafiadora”
18 de setembro de 2017
Denise, no Simpósio Pangborn 2017, Providence, Estados Unidos
A professora doutora da Fatec de Jales Denise Pinheiro Soncini da Costa vem se destacando com suas pesquisas voltadas para análise sensorial de alimentos. Nos dias 20 a 24 de agosto ela participou do 12º Simpósio Pangborn, em Providence, Rhode Island, Estados Unidos, quando apresentou o trabalho intitulado “External preference mapping: Correlating acceptability and sensory profile of hamburger with mechanically separated meat from tilapia” (Mapa de preferência externo: correlação entre a aceitabilidade e o perfil sensorial de hambúrguer com carne mecanicamente separada de tilápia) que faz parte da sua pesquisa de doutorado. Outros eventos já estão agendados, como um curso em São Paulo, nos dias 25 a 27 de setembro, com a professora doutora Sílvia Deboni Dutcosky e o 12º Simpósio Latino Americano de Ciência de Alimentos, nos dias 4 a 7 de novembro, em Campinas, onde apresentará outro pôster intitulado “Mapa de preferência externo: correlação entre aceitação sensorial e propriedades físicas de hambúrguer com carne mecanicamente separada de tilápia” resultado também da sua pesquisa de doutorado. Denise também foi convidada por Sílvia para trabalhar com ela na organização do Sensiber (Simpósio Ibero-Americano em Análise Sensorial) que acontecerá no Brasil, em 2018. Em 2010 este mesmo simpósio foi realizado em São Paulo e ela participou com o pôster intitulado “Aceitabilidade de sorvetes à base de leite de soja e derivados de soja”. Nesta entrevista ela fala um pouco sobre sua carreira e participação no simpósio nos Estados Unidos. (LR)

J.J. – Os trabalhos na área de pesquisa normalmente exigem um longo caminho. Você pode explicar como tudo começou?
Denise - Realmente é um longo caminho. Eu me graduei em Engenharia de Alimentos em 1991, depois fiz especialização em Tecnologia de Carnes, no Centro de Tecnologia de Carne do Instituto de Tecnologia de Alimentos, em Campinas, em 2002, fiz mestrado, em 2007 e doutorado, em 2017, na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, todos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus São José do Rio Preto.

J.J. – Por que você resolveu trilhar esse caminho?
Denise - Antes de seguir a área acadêmica trabalhei em algumas indústrias, como a Sadia, em Araçatuba e Toledo e na Quaker, na área de indústria de massas alimentícias. O interesse pela pesquisa surgiu quando terminei o curso de especialização. Na pesquisa eu me encontrei, pois é uma área fascinante e desafiadora.

J.J. – Depois de trabalhar nas indústrias, você foi para a Fatec?
Denise - Estou ministrando aulas na Fatec Jales desde 2009. Em 2013 tive a oportunidade de ingressar no programa de doutorado pela UNESP. O Centro Paula Souza nessa época proporcionava o Regime de Jornada Integral para que o professor pudesse se dedicar a pesquisa e no meu caso toda a parte experimental foi desenvolvida na UNESP de São José do Rio Preto sob a orientação da professora doutora Carolina Conti-Silva.

J.J. - O que é o Simpósio Pangborn?
Denise - O Simpósio de Ciência Sensorial Pangborn reúne indústria e academia. É liderado por pioneiros e especialistas emergentes em ciência sensorial e de consumo. Além disso, tem a participação de empresas e patrocinadores que fazem parte integrante do sucesso do simpósio e continuam sendo parceiros essenciais no desenvolvimento das ciências sensoriais e do consumidor.

J.J. - O que é ciência sensorial?
Denise - É uma ciência utilizada para medir, analisar e interpretar as reações das características dos alimentos e materiais da forma em que são percebidos pelos sentidos da visão, olfação, paladar, tato e audição, tudo através de testes específicos e equipe que pode ser treinada, ou não.

J.J. - Com quais recursos você participou desse Simpósio?
Denise - Com recursos próprios e foi muito gratificante essa experiência em participar de um simpósio a nível internacional e observar como a pesquisa é valorizada em outros países.

J.J. - Houve a participação de brasileiros no simpósio?
Denise - Sim, éramos em 30 brasileiros. Montamos um grupo no WhatsApp. Não nos conhecíamos antes. Só conhecia duas alunas da pós-graduação da UNESP. Tivemos a oportunidade de conhecer pesquisadores de outras universidades do Brasil e de outros países. Conhecemos a renomada professora Sílvia Deboni Dutcosky, que é doutora em Ciência de Alimentos, com pós-doutorado na área de gestão da inovação e autora do livro Análise Sensorial de Alimentos, que está na quarta edição. 

J.J. – Teve algum palestrante que na sua avaliação se destacou no simpósio?
Denise – A professora Joanne Hort, PhD, da Universidade de Nottingham na Nova Zelândia. Ela aplica seu conhecimento sensorial e consumidor para entender a complexidade do sabor da cerveja ao lado de outros alimentos e bebidas. Sua abordagem multidisciplinar, que combina técnicas analíticas, imagens cerebrais e técnicas sensoriais, fornece uma visão profunda das interações multissensoriais, variação individual e mudanças temporais na percepção de sabor e resposta emocional às propriedades sensoriais. Joanne pertence ao conselho editorial da revista Food Quality and Preference, a Qualis A1, na área de ciência de alimentos. Ela também é membro do Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos e membro fundadora e ex-presidente da Sociedade Europeia da Ciência Sensorial e do Grupo de Ciências Sensoriais do Instituto de Ciência da Alimentação e Tecnologia.

J.J. – Mas tinha mais gente importante.
Denise – Tinha. Por exemplo, a doutora Aradhna Krishna, professora de Marketing na Ross School of Business, da Universidade de Michigan. Ela é considerada pioneira no campo do marketing sensorial. A Harvard Business Review recentemente a reconheceu como a principal especialista nessa área. Por seu papel de liderança no marketing sensorial a professora Krishna foi reconhecida como membro da Society of Consumer Psychology. Ela define o marketing sensorial como o marketing que envolve os sentidos dos consumidores e afeta sua percepção, julgamento e comportamento. Ela também é autora de dois livros, Marketing sensorial: pesquisa sobre sensualidade de produtos e Sentido de Cliente: como os 5 sentidos influenciam o comportamento de compra, que foram traduzidos para vários idiomas.