domingo 27 setembro 2020
Arquibancada

Decisão sensata

Em meio a pandemia do novo coronavírus e diversos pedidos de atletas espalhados pelo mundo, o Comitê Olímpico Internacional, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e o Governo do Japão adiaram as Olimpíadas para 2021. Em um momento que competidores sequer conseguem sair de casa para treinar, a decisão é a mais sensata e justa pensando na saúde mundial.
A partir da definição que os Jogos vão acontecer somente no próximo ano, os atletas finalmente podem começar a se planejar novamente e a tendência é que as competições aconteçam entre julho e agosto de 2021, exatamente um ano após a data que o torneio estava inicialmente marcado. Independente da modalidade, é fundamental que o mais rápido possível os competidores saibam quando começa as Olimpíadas, para que todo o ciclo de treinamento e planejamento seja remontado.
O adiamento também traz enorme problema de conflito de datas com competições já marcadas para 2021. O ano seguinte das Olimpíadas costuma ser conhecido como a “temporada dos Mundiais” e federações como a de natação e atletismo, por exemplo, já estão com campeonatos marcados. A única solução, é o COI entrar em acordo com essas entidades, mas isso não deve ser fácil, já que esses torneios garantem retorno financeiro a essas agremiações.
Os pré-olímpicos, fundamentais na classificação dos atletas para os Jogos, também são um enorme ponto de interrogação. A estimativa era que 11 mil atletas de 204 países participassem de Tóquio-2020. Aproximadamente 6.500 competidores já estavam com participação garantida, porém 4.500 vagas ainda permanecem abertas e atletas precisam disputar pré-olímpicos e outras competições para chegarem a Tóquio. 
Infelizmente todas os campeonatos esportivos marcados para 2020 se tornaram sinônimo de enorme indefinição. As Olimpíadas, como um torneio que mexe com o planeta, chama mais atenção pelo fato de representar o tamanho da importância de tudo isso.
O mundo está em guerra contra um adversário invisível chamado novo coronavírus. Aos fãs de esporte, resta apenas ter paciência, esperar e torcer para que os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021 sejam o recomeço de um planeta que saiu vencedor, com muita esperança e saúde após dias tão difíceis.

Eduardo Martins 
 (jalesense, aluno do 4° ano de jornalismo da PUC-Campinas) 
Desenvolvido por Enzo Nagata