quarta 03 junho 2020
Arquibancada

Corinthians sofre para encontrar modelo de jogo

Atual bicampeão paulista sob comando do técnico Fábio Carille, o Corinthians está com dificuldades para definir o modelo de jogo ideal neste início de temporada. Mesmo com a vitória sobre o rival Palmeiras, a equipe encontra enormes obstáculos para chegar ao campo de defesa adversário e isso precisa ser corrigido com urgência.
Conhecido nos últimos anos por defender bem e ser preciso no ataque em momentos decisivos, o Timão está em evolução no primeiro quesito, enquanto acumula apenas seis gols em seis jogos oficiais, somando partidas do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil.
Para todo bom ataque funcionar é necessário a participação eficiente do meio-campo e isso é o ponto chave deste começo de temporada. Longe da plenitude física, Ramiro, Jadson e Sornoza, sofrem para encontrar espaços em meio a defesa adversária e consequentemente criam poucas oportunidades durante as partidas.
Também vale ressaltar a falta de velocidade do trio, que apesar da enorme qualidade técnica e do esforço na recomposição da marcação, não se entendem dentro de campo e o rendimento do sistema ofensivo da equipe acaba prejudicado.
Apesar dessas adversidades, um jogador precisa ser elogiado neste início de ano: Gustagol. Longe de reunir qualidades suficientes para ser centroavante do Timão em sua primeira passagem pelo clube, o camisa 19 foi emprestado, ganhou experiência e, neste momento, é o artilheiro do time na temporada com cinco gols, deixando o argentino Mauro Boselli no banco de reservas.
Para melhorar o rendimento corintiano e sonhar com grandes conquistas em 2019, Carille precisa rever alguns dos seus conceitos de jogo apresentados até o momento. Um jogador de velocidade como André Luís, Pedrinho, Gustavo Silva ou Clayson, que dê profundidade e consiga romper a defesa adversária, pode ser uma das alternativas para o time evoluir.
Além disso, o treinador do Timão precisa encaixar Vagner Love entre os titulares, seja ao lado de Gustagol, ou como a referência da equipe. A partir do momento que o treinador do Timão conseguir isso, o clube tem tudo para dar alegria à sua torcida e ter mais uma temporada de sucesso.

Eduardo Martins 
 (jalesense, aluno do 3° ano de jornalismo da PUC-Campinas) 
Desenvolvido por Enzo Nagata