jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Confraternização de engenheiros teve dois candidatos à presidência do CREA-SP

por Luiz Ramires
04 de dezembro de 2017
O trabalho da diretoria da AERJ foi destacado pela presidente da entidade, Sílvia Andreu Avelhaneda Pigari
A confraternização de final de ano dos profissionais ligados à AERJ (Associação dos Engenheiros da Região de Jales) mostrou a força da categoria em nível regional, ao reunir não apenas os profissionais de engenharia, agronomia e da área tecnológica e seus familiares, mas dois candidatos à presidência do CREA-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo).
Vinícius Marchese Marinelli, presidente licenciado do CREA-SP e José Tadeu da Silva, presidente licenciado do CONFEA (Conselho Federal de Engenharia) foram recebidos pela presidente da associação, Sílvia Andreu Avelhaneda Pigari e toda a diretoria, quando puderam conversar com os profissionais presentes, divulgando suas propostas.
Também esteve presente o presidente da Sociedade dos Engenheiros de São José do Rio Preto, Benito Saes Júnior, que é candidato a diretor geral da MÚTUA (Caixa de Assistência dos Profissionais do CREA-SP) e o vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Alta Noroeste, Constantino Alexandre Vourlis.
As eleições para presidente do CONFEA e dos 27 CREAS do país acontecem no dia 15 de dezembro. Os eleitos exercerão mandato de 1º de janeiro de 2018 a 31 de dezembro de 2020. Na mesma data, acontecerá a eleição dos diretores gerais e administrativos das MÚTUAS, que cumprirão mandatos no mesmo período.
A presidente da AERJ aproveitou o evento para convidar todos os profissionais do Sistema CONFEA/CREA para irem às urnas no dia das eleições, das 9 da manhã às 19 horas, na sede da associação ou na urna do local escolhido pelo profissional. 

ATUAÇÃO
Durante a confraternização que desta vez aconteceu em torno de um almoço no Sato Buffet, no dia 26 de novembro, a presidente da AERJ fez um balanço bastante positivo do ano que termina, apesar da crise econômica que acaba atingindo também o segmento tecnológico e o setor agropecuário, dificultando o trabalho desses profissionais. Na sua avaliação, este foi um ano bem produtivo, principalmente no que se refere aos trabalhos desenvolvidos para o aprimoramento dos profissionais e dos serviços oferecidos aos associados, como palestras e participação em eventos da comunidade.
Sílvia fez questão de destacar a atuação da diretoria da AERJ nas realizações da entidade que ela pretende dar continuidade durante todo o ano de 2018. Tornar a AERJ uma instituição cada vez mais atuante tem que ser o objetivo de quem está à frente de uma entidade de classe preocupada não só com a defesa dos interesses e direitos dos seus profissionais, mas da comunidade regional por ela representada, como afirmou a presidente.