Perspectivas

Como escolher seu vereador

Os eleitores mais atentos devem ter percebido uma mudança nas últimas eleições, especialmente para o cargo de vereador. Antes, o espaço era ocupado, na maioria das vezes, pelos mesmos antigos políticos, que se profissionalizavam no cargo por muitos e muitos mandatos. Agora, estes velhos vereadores estão tendo de dividir espaço nas campanhas com novatos de outras áreas, que agora querem também uma cadeira no Legislativo.

Em uma primeira análise, essa mudança de comportamento social diante da política pode parecer positiva se você imaginar que há muitos cidadãos interessados em trabalhar pelo povo, mesmo em um país onde essa área é muito desvalorizada por conta dos escândalos diários em todos os escalões nas três esferas de governo, municipal, estadual e federal. É um tal de dinheiro na cueca, dinheiro nas nádegas, dinheiro em malas que não acaba nunca, não é?

Entretanto, uma visão mais aguçada pode apontar outros motivos menos nobres do que trabalhar para o bem comum. Um vereador tem boa remuneração, bem acima da média do mercado de trabalho; goza de “status” social; passa a ter influência nas decisões do município, enfim, são muitos os poderes que este indivíduo ganha na sociedade ao assumir uma cadeira na Câmara Municipal.

Nada disso é ruim se, eleito, ele vier a trabalhar pelo povo e para o povo. Mas para que isso aconteça, o papel principal desta história é do eleitor. Você, leitor, sabe o que um vereador faz? A resposta é bem simples, ele representa o povo diante do poder público. E representa como? Legislando (e não executando, então cuidado com quem promete asfaltar seu bairro sem ser o prefeito). E será que todos os candidatos ao cargo sabem como fazer isso?

Legislar significa, basicamente, trabalhar com leis. Uma ressalva importante: isso não significa que os advogados são sempre os melhores candidatos. Vou explicar: o pré-requisito básico é conhecer a Constituição Federal e isso todo bom cidadão deveria saber.

Mas será que todos os candidatos conhecem nossos direitos e deveres previstos na Carta Magna? Porque se o vereador vai criar, extinguir ou emendar leis “menores” e mais específicas, como as de um município, é claro que ele precisa conhecer e respeitar as leis “maiores”. Não vote em quem não tem este conhecimento. Mais do que ser “ficha limpa”, verifique se seu candidato cumpre mesmo as leis. Porque uma coisa é não ser condenado. Outra coisa é ser cidadão respeitador de leis.

Os futuros vereadores podem criar, mudar ou extinguir tributos municipais. Vão aprovar – ou não - os documentos orçamentários do município. Terão plenos poderes para deliberar sobre o Plano Diretor e terão que definir os caminhos da educação municipal, entre outros compromissos importantes. Ou seja, precisam, devem, têm que fiscalizar o prefeito sim!

Ou seja, colocar no Legislativo um parente ou um amigo só pelas relações sociais. Votar em um candidato só porque ele faz promessas. Ou escolher alguém porque é bonito, rico ou “famosinho” não vai ajudar em nada a cidade. Mais consciência, por favor!

 Ayne Regina Gonçalves Salviano

(É jornalista, professora, empresária na área da Educação em Araçatuba)