jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Comissão da Santa Casa de Jales faz captação de órgãos de uma paciente de 67 anos

por Luiz Ramires
30 de setembro de 2018
Cirurgião Felipe Sbrolini Borges, de São José dos Campos, enfermeiras Célia Zaquelo, Rosimeire Mateus e Alessandra Gonçalves e os cirurgiões Angélica e Reinaldo, de São José dos Campos
Mais uma vez a equipe da Comissão de Captação da Santa Casa de Jales esteve em atividade para a retirada do fígado, rins e córneas de uma paciente de Urânia, de 67 anos que morreu de AVC, no dia 24 de setembro. O coração e pulmão não foram captados porque nesse caso o doador não pode ter mais de 50 anos, como informou o presidente da comissão, enfermeiro Paulo Lima.
O fígado da mulher foi levado para a Santa Casa de São José dos Campos, por uma equipe daquele hospital que esteve em Jales, na tarde de terça-feira, dia 25, vindo de avião da FAB que desceu em Votuporanga. Os rins foram levados pela mesma equipe para uma paciente de São José do Rio Preto, para onde também foram transportadas as córneas para ficarem à disposição de um receptor, armazenadas no banco de córneas daquela cidade.

CAPACITAÇÃO
Com essas ações a Santa Casa vai se especializando para dar esse apoio logístico para a captação de órgãos, através dessa comissão que além do presidente Paulo Lima, tem como responsável o médico Danilo Devolo e como integrantes as enfermeiras Jaqueline Fava, Rosimeire Matheus e Célia Fiorentino.
Para incentivar as doações existem campanhas na mídia dando mais visibilidade para a importância e a responsabilidade de se doar os órgãos dos pacientes quando é constatada a morte encefálica dos mesmos, para que eles possam salvar vidas. Em setembro essa mobilização cresce com a campanha Setembro Verde de conscientização sobre a continuação da vida através da doação de órgãos.
A mesmo tempo a Santa Casa vai se preparando com uma estrutura que logo terá condições de fazer alguns transplantes, o que só depende de uma adequação de algumas instalações e do credenciamento no Mistério da Saúde, como explicou o presidente da comissão de captação.

TRABALHO
A esquipe da Santa Casa de São José dos Campos foi comandada pelo médico cirurgião Felipe Sbrolini Borges que explicou o procedimento para poder receber o fígado da paciente para ser enviado para um paciente daquele hospital. Ele esteve acompanhado por outros dois cirurgiões, Reinaldo e Adriana, que fazem parte da sua equipe.
A retirada dos órgãos, como no caso dessa senhora é um trabalho que demora entre duas horas e meia e três horas e faz parte da rotina das ações desenvolvidas pela sua equipe, naquela Santa Casa, como explicou.
Há um mês em outra ação dessa natureza a comissão captou os órgãos de um jovem de 25 anos que morreu em um acidente em uma estrada da região. Foi a primeira captação de coração feita pela Santa Casa, quando também foram retirados os rins, pulmões, córneas e fígado.