jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

CAVALO DE AÇO- O prefeito de Jales Flávio Prandi Franco (DEM) está com cotação nas alturas no âmbito da empresa Rumo, que detém o controle da malha ferroviária paulista. Na última quarta-feira, dia 27, os ministros do Tribunal de Contas da União aprovaram, por unanimidade o relatório do ministro A

Fique Sabendo
01 de dezembro de 2019
Enquanto o prefeito Flá reuniu-se em Brasília com diretores da Rumo o seu vice, Garça, se reuniu com os executivos da empresa na Prefeitura de Jales
CAVALO DE AÇO-   O prefeito de Jales Flávio Prandi Franco (DEM) está com cotação nas alturas no âmbito da empresa Rumo, que detém o controle da malha ferroviária paulista. Na última quarta-feira, dia 27, os ministros do Tribunal de Contas da União aprovaram, por unanimidade o relatório do ministro Augusto Nardes, autorizando a antecipação da renovação da concessão pelo governo federal, cuja validade expiraria em 2028. Flá e Edinho Araújo (MDB), prefeito de São José do Rio Preto, assistiram de corpo presente ao desfecho do caso. 

CAPITÃO DO TIME – A posição de Flá é decorrente do fato de que, como registrou este jornal na edição de 29 de setembro, o prefeito de Jales, que também acumula a presidência da Associação de Municípios da Araraquarense, foi o representante dos 645 municípios do Estado de São Paulo no painel técnico realizado pelo Tribunal de Contas da União, no dia 26,  para debater a renovação antecipada do contrato de concessão do governo federal.

CAPAS PRETAS – Naquela ocasião, o chefe do Executivo de  Jales falou para uma plateia de cabeças coroadas composta pelo presidente do TCU, ministro José Múcio Monteiro, pelo relator do processo, ministro Augusto Nardes, pelo ministro da Infraestrutura do governo Bolsonaro, Tarcísio de Freitas, e dirigentes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Associação Nacional de Transporte de Cargas (ANUT), da ONG FerroFrente, além do procurador geral  do Ministério Público de Contas, Júlio Marcelo de Oliveira.  A convite de Flá, o prefeito Edinho, de  São José do Rio Preto, a maior cidade da região noroeste, também falou por seis minutos.    

BASTIDORES – Como se recorda, Flá, em sua fala, defendeu a prorrogação antecipada da concessão como de interesse para o Estado de São Paulo e para o  Brasil, até porque a previsão da própria empresa é a de que o fluxo de trens triplique nos próximos anos em função da entrada em funcionamento da Ferrovia Norte-Sul, que também passa pela região.  Sabe-se que aquele painel técnico foi agendado porque havia resistência de setores técnicos do próprio TCU contrários à antecipar da renovação. Com a aprovação do relatório do ministro Nardes, agora não tem mais volta. 

 MESMA LÍNGUA- Embora o assunto Rumo seja de interesse nacional, a performance de Flá em Brasília já começa a surtir efeito em nível local. Enquanto o prefeito viajou para a capital federal para assistir ao julgamento no TCU, o vice-prefeito José Devanir Rodrigues sentou-se em sua cadeira e fez as honras da casa a uma equipe técnica da Rumo composta por Cláudio Carneiro Goretti (gerente executivo), Harley Silva (gerente de obras), Luhan Pereira (engenheiro projetista) e Marcelo Rodrigues (gerente de relações governamentais Norte).  Como Garça não tem sido um vice-prefeito decorativo, a conversa com os representantes da Rumo fluiu sem intercorrências. 

MÃOS Á OBRA – A coluna apurou junto à assessoria da empresa que os técnicos da Rumo estiveram em Jales para tratar do início das obras de construção do viaduto nas imediações do Jardim São Gabriel, sendo recebidos pelos secretários municipais Manoel de Aro (Obras), Nilton Suetugo (Planejamento). Também estiveram com a equipe da Rumo o procurador geral do município, Pedro Manoel Callado Moraes, e o o subprocurador-geral, Benedito Dias da Silva Filho. Com eles, o assunto foi desapropriação de áreas para a obra. 

DO J.J....- O jalesense Eduardo Britto, professor de Geografia do Colégio e Curso Objetivo, em São Paulo, graduado pela Unesp, especialista em Gestão Ambiental pela Ufscar e mestre em Ensino de Ciências pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, é o titular da coluna “Vestibulares”, publicada semanalmente no Jornal de Jales. Como os leitores certamente se recordam, ele fez uma análise do vestibular da Fuvest na edição de domingo passado, 24 de novembro. 

PARA O “ESTADÃO” – No dia seguinte, 25, o nome de Eduardo Britto estava em matéria de meia página da edição impressa do jornal “O Estado de São Paulo”, cujo título foi “Fuvest tem Amazônia e problemas sociais”. E no subtítulo, em linha fina, “Professores de cursinhos destacam que prova está cada vez mais interdisciplinar”. 

CORES – O mais tradicional jornal paulista dedicou 16 linhas ao jalesense. Eis a transcrição: “Para o professor de Geografia, Eduardo Britto, do Objetivo, chamou a atenção o uso, ela primeira vez, de cores na prova. Para a Geografia, o recurso foi maravilhoso porque permite explorar a interpretação, por exemplo, em mapas e gráficos. Ele também destacou a interdisciplinaridade na questão que abordou a Amazônia dizendo que ela caiu na parte de Biologia, mas para respondê-la o aluno também precisa de conhecimento de Geografia”.

PRECOCE – Vale lembrar que, recém-saído da graduação da Unesp e ainda meio garotão, Eduardo foi titular da Secretaria Municipal de Planejamento da administração Humberto Parini. Ele é o primogênito de José Brito   da Silva Filho e Sandra, que lideraram a Associação de Moradores do Jardim América e o Centro de Convivência do Idoso.