jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Cartorário afirma que escrituras do Distrito II podem sair nos próximos meses

A informação foi transmitida pelo engenheiro agrônomo e oficial de registro de imóveis Ivan Cavalin Ignácio dos Santos durante o 31º Encontro dos Engenheiros da Região de Jales.
11 de dezembro de 2016
van: nada impede que as escrituras sejam fornecidas aos seus proprietários
Os terrenos da parte da frente do Distrito Industrial II deverão ser regularizados nos próximos meses, para que seus proprietários recebam suas escrituras e assumam a posse definitiva dos mesmos. A informação foi transmitida pelo engenheiro agrônomo e oficial de registro de imóveis Ivan Cavalin Ignácio dos Santos durante o 31º Encontro dos Engenheiros da Região de Jales, promovido pela AERJ (Associação dos Engenheiros da Região de Jales) que aconteceu no dia primeiro de dezembro, na Associação Nipo Jalesense.  
Ivan explicou que a área do Distrito II está dividida em quatro matrículas. Duas já estão liberadas e o pagamento das outras duas foi concluído este ano, pela Prefeitura. Com isso extinguiu-se o precatório e falta apenas o juiz expedir a carta de sentença para levar ao cartório de registro de imóveis, transferindo a propriedade do espólio Euphly Jalles para a Prefeitura. 
O último passo é regularizar toda a área divida em lotes que foram adquiridos pelos ocupantes dos terrenos para que a Prefeitura possa outorgar as escrituras dos imóveis e eles passem a ser proprietários definitivos dos mesmos. Ivan acredita que toda essa tramitação não demore mais que um ano.
O fato da família Jalles ter impugnado o valor pago pela Prefeitura, cobrando uma diferença de 30%, não impede a concessão das escrituras, pois segundo Ivan, o precatório já foi liquidado pelo município. A cobrança da diferença é outra questão que está correndo na justiça.   
O engenheiro agrimensor e presidente da AERJ, Marcos Pêgolo, informou que toda a área do Distrito Industrial II é formada por 150 terrenos, sendo que nas duas primeiras matrículas que já foram regularizadas estão 60 terrenos e as outras duas matrículas que ainda faltam ser regularizada são formadas por 90 lotes.
Marcos explicou que só a Prefeitura precisa receber a documentação da família Jalles para fazer o projeto de loteamento industrial para ser registrado, para que as escrituras possam ser liberadas para os seus respectivos proprietários.