jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Brasil: direita ou esquerda?

por Osmar Gabriel
04 de agosto de 2019
Osmar Gabriel
A ideologia entre a “direita” e “esquerda” se deu no século XVIII na França em suas Assembleias. Isso ocorreu porque na época a burguesia procurava, com apoio da população, diminuir os poderes da nobreza e do clero. Isso aconteceu como sendo a primeira fase da Revolução Francesa (1789-1799).
Para criar a nova Constituição os franceses montaram uma Assembleia Nacional Constituinte, e as classes mais ricas não gostaram da participação das mais pobres, preferiram não se misturar, sentando separada, do lado direito.
Portanto, com isso, o lado esquerdo foi associado á luta dos trabalhadores e seus direitos, e o direito ao conservadorismo e à elite francesa.
Diante desses fatos, quem era de esquerda se presumia em lutar pelos direitos dos trabalhadores e da população mais pobre. Já a direita representava a visão conservadora, ligada a comportamento tradicional, que busca manter o poder da elite e promover o bem estar individual.
Com a queda do muro de Berlim (1989), pondo um fim na “Guerra Fria”, vislumbrou-se a partir daí uma nova abertura e um novo cenário político. Essa divisão aqui no Brasil foi fortalecida no período da ditadura militar, onde os que apoiaram o golpe dos militares eram considerados de direita - ARENA, e quem defendia a criação e instalação de um regime socialista baseado nas ideias de Karl Marx, era considerado de esquerda - MDB.
Hoje, temos uma mistura entre os partidos políticos. Os de direita abrangem conservadores, democratas cristãos, liberais e nacionalistas, e ainda o nazismo e o fascismo na chamada extrema direita. Pela esquerda temos sociais-democratas, progressistas, socialistas democráticos e ambientalistas.
Com tudo isso criou-se o “centro”, com o pensamento que consegue defender o capitalismo sem deixar de se preocupar com o lado social. Na teoria a política de centro prega mais tolerância e equilíbrio na sociedade. A origem do termo “centro” vem da Roma antiga, que o descreve na frase: “in mediun itos” - (a virtude está no meio).
No atual cenário político do Brasil através dos ajustes econômicos propostos pelo presidente Bolsonaro, temos uma visão real da disputa entre os da “esquerda” e da “direita”, e que enterrou definitivamente do cenário político os que eram do “centro”. Atualmente entre os deputados e senadores, há uma divisão simples e concreta, ou é da esquerda ou da direita. Os da esquerda defendem uma economia mais justa e solidária, com maior distribuição de renda e interferência do Estado. Os da direita são associados ao liberalismo, doutrina que na economia pode indicar os que procuram manter a livre iniciativa de mercado e os direitos à propriedade particular.
Se voltássemos no tempo, lá na França, quando se deu a divisão entre direitistas e esquerdistas, nas Assembleias de que lado você sentaria? Da esquerda ou da direita? Se estivesse no século XVIII lá na França e pelo menos desconfiasse que essa divisão iria provocar no futuro muitos estragos na economia mundial, com certeza nem iria adentrar nas Assembleias. 

Osmar Gabriel
( Corretor de imóveis)