jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Bons exemplos para o Brasil

Editorial
12 de agosto de 2018
Embora o assunto recorrente na opinião pública de Jales desde que foi deflagrada pela Polícia Federal a Operação Farra no Tesouro, em 31 de julho, continue sendo os desvios cometidos pela ex-diretora financeira da Prefeitura, a cidade não vive só de escândalos. 
Exatamente quatro dias depois que a PF derrubou a casa da servidora e familiares, um clube de serviço, o Rotary Clube de Jales Grandes Lagos, e uma Organização Não Governamental, a Associação de Voluntários de Combate ao Câncer, entregaram à direção da Unidade de Jales do Hospital de Amor, novo nome do Hospital de Câncer, um Arco Cirúrgico no valor de 186 mil dólares que, convertidos pelo câmbio médio da semana, significam R$ 714 mil.
Se é verdade que a protagonista da Farra no Tesouro foi uma mulher, não é menos verdade que o crédito da campanha para aquisição do instrumento que vai melhorar muito as condições de trabalho dos médicos do hospital tem que ser dado a duas mulheres—Suely Zambon, ex-presidente e atual  coordenadora da Comissão de Assuntos Humanitários do Rotary Grandes Lagos, e Maria Aparecida Iglésias Freitas, uma das fundadoras e atual presidente da AVCC.
Idealizadora do projeto, a incansável Suely mobilizou distritos rotários de vários lugares do Brasil e também do exterior. Cidinha, ex-paciente do hospital, abraçou a causa, arregaçou as mangas e lançou uma campanha entre amigos, motivando os colaboradores com o sorteio de um carro MP Lafer. 
A cerimônia de entrega do Arco Cirúrgico à Fundação Pio XII, na manhã de 4 de agosto, no interior da Capela São Judas Tadeu, construída no hospital, foi uma ode à solidariedade. 
A sucessão de boas ações não parou. Na última quinta-feira, 9 de agosto, por iniciativa de uma filha da terra, Marina Nossa Neto, mestranda em Tecnologia de Informação e Comunicação em Buenos Aires, a Associação Comercial e Industrial de Jales deu apoio logístico e realizou o Simpósio Governança na Internet, tendo como debatedores palestrantes do tamanho do doutor Sebastião Squirra, pesquisador e autor de livros sobre Comunicação, conhecido dentro e fora do Brasil,  delegado de polícia Higor Jorge, especialista em crimes cibernéticos e professor da Academia de Polícia, e Elisandréa Dias, professora universitária e pesquisadora.
E para fechar este ciclo virtuoso do mês de agosto em contraponto ao escândalo do último dia de julho, o Ministério Público Federal em Jales e a Subsede da Ordem dos Advogados do Brasil oferecerão a operadores do Direito, estudantes e público em geral o simpósio “Combate à Corrupção-30 anos de Constituição”, dia 17, sexta-feira. 
Entre os debatedores, estarão o ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, e seu colega Eduardo Fisher, sub-procurador regional, discutindo ideias e posturas com dois nomes do primeiro time da advocacia paulista — Guilherme Batocchio e Gustavo Badaró.
Enfim, resumindo a ópera, salvo melhor juízo, os desvios na Prefeitura foram um acidente de percurso que, espera-se, nunca mais se repita.
De outro lado, tomara que Jales vá para as manchetes por iniciativas como a Campanha do Arco Cirúrgico, o Simpósio Governança na Internet e o Simpósio sobre Combate à Corrupção, três bons exemplos para o Brasil.