jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

BOLA DA VEZ – Se depender da mídia regional, o prefeito Flávio Prandi Franco vai ficar bem na foto por conta de sua eleição para a presidência da Associação de Municípios da Araraquarense.

Fique Sabendo
10 de fevereiro de 2019
O prefeito Flá discursou no pré-lançamento da candidatura de Luís Henrique Moreira. Hoje, os dois sentem que existem interessados em afastá-los
BOLA DA VEZ – Se depender da mídia regional, o prefeito Flávio Prandi Franco vai ficar bem na foto por conta de sua eleição para a presidência da Associação de Municípios da Araraquarense. Só para ficar em dois exemplos de espaços obtidos em jornais, primeiro foi no maior de todos, o Diário da Região, de São José do Rio Preto, que deu manchetes, publicou fotos e até um artigo do novo presidente da AMA. Na última semana, Flá ganhou página inteira, em forma de entrevista, do jornal “Cidadão”, de Fernandópolis. 

DIRETO AO PONTO – Ao serem convocados pelo secretário de Comunicação, Douglas Zilio, em nome do prefeito Flá, para uma reunião a portas fechadas na terça-feira, 5 de fevereiro, alguns secretários municipais chegaram a ficar apreensivos, não faltando quem aventasse até a possibilidade de haver corte de cabeças. Fonte da coluna garante que o papo foi firme, mas respeitoso, sem puxões de orelhas nem nome aos bois.

ACELERADOR - Ainda de acordo com a fonte, o prefeito insistiu muito na palavra comprometimento, lembrando que está em jogo o trabalho da administração como um todo, razão pela qual cada um deve fazer a sua parte e dar ciência ao gabinete prefeitural das providências tomadas para a solução dos problemas, principalmente aqueles que são apontados na Ouvidoria. Em outras palavras, comentou a fonte, o prefeito teria dado a entender que, se for para ele resolver questões   do dia-a-dia, não há necessidade de secretários.

PRETO NO BRANCO – A reunião durou aproximadamente duas horas ao final das quais o prefeito teria fixado o último dia de fevereiro para que os integrantes do primeiro escalão entreguem relatórios das respectivas pastas ao vice-prefeito José Devanir Rodrigues, que será uma espécie de capitão do time.

CENTRAL DE BOATOS – O prefeito Flávio Prandi Franco (DEM) e o empresário Luís Henrique Moreira (Podemos), candidato a deputado estadual mais votado em Jales no ano passado, desconfiam  que tem gente tentando intrigá-los  a fim de levar vantagem num eventual choque entre ambos. Chegou ao conhecimento de Flá que um determinado personagem muito conhecido no Legislativo teria oferecido vantagens pecuniárias a colegas vereadores que votassem contra a aprovação do projeto do Executivo pedindo autorização para contrair empréstimo de R$ 11 milhões junto ao Desenvolve SP para recapeamento das ruas de Jales. O mesmo personagem, que se dizia porta-voz de LH, também teria tentado influir na eleição da Mesa da Câmara, em dezembro, elegendo alguém que não fosse da base de apoio do prefeito. Ambas os casos tramitaram entre novembro e dezembro do ano passado.

TÔ FORA – Ouvido pelo comentarista, Luís Henrique disse ter tomado conhecimento do falatório, mas qualificou-o de sem fundamento. E respondeu perguntando: “qual seria a vantagem que eu levaria se o Flá não tivesse recursos para recapear ruas?” E completou: “o que eu ganharia com algum aliado na presidência da Câmara?”

FAKE BOLA - De outra parte, chegou aos ouvidos do empresário que o prefeito teria proibido a Secretaria Municipal de Esportes de apoiar todo e qualquer evento do qual participassem equipes patrocinadas pela empresa LHBorr. Instado pela coluna, Flá achou o boato absurdo e, em tom incisivo, rebateu: “até por uma questão de economia de recursos, a minha determinação foi exatamente outra. Orientei a equipe da Secretaria a apoiar todos os eventos esportivos que venham da iniciativa privada, independentemente de quem esteja patrocinando. ” 

MELHOR IDADE - O funcionamento do curso de Direito na Unijales, cuja aula magna aconteceu na última segunda-feira, dia 4 de fevereiro (matéria completa na página 6 deste caderno), terá algumas figuras carimbadas em salas de aula. Entre outros, o ex-prefeito Humberto Parini (dentista de formação e aposentado como auditor fiscal da Secretaria Estadual da Fazenda), o ex-vereador Luís Especiato (diretor de escola), o ex-árbitro internacional de voleibol José Antonio de Carvalho (formado em educação física e atual titular da Inspetoria Regional de Esportes e Lazer).

CHÁ DE CADEIRA – O Superior Tribunal de Justiça decide nos próximos dias se a espera muito prolongada na fila de atendimento de um banco pode gerar indenização. Segundo a jornalista Mônica Bergamo, que tem uma página diária na Folha de S. Paulo e um programa semanal no canal fechado Band News, o caso envolveu o Banco do Brasil. Um cliente da instituição chegou a esperar duas horas por atendimento. A instituição foi condenada a pagar R$ 25 mil à vítima.

CHÁ DE CADEIRA (2) - O STJ decidirá se mantém ou derruba a decisão, com base no Código de Defesa do Consumidor — e não de legislações locais. A decisão terá reflexos em Jales porque, em 2007, a Câmara Municipal aprovou projeto de autoria dos ex-vereadores Osmar Rezende e Luís Especiato, fixando o prazo de 20 minutos para que os clientes fossem atendidos nas agências bancárias da cidade.