quarta 15 julho 2020
Polícia

BLACK FRIDAY - Clientes lesados podem recorrer, avisa delegado de polícia

Quem se sentiu lesado em alguma compra feita ontem , dia 30 de novembro, quando aconteceu mais uma vez a Black Friday pode reclamar seus direitos contra o vendedor, principalmente em lojas que antes da promoção aumentam seus preços e depois diminuem para que os produtos sejam vendidos pelo preço normal, apesar da empresa afirmar que houve desconto.
O delegado de polícia Higor Nogueira Jorge, delegado de polícia em Santa Fé do Sul, vinculado à Delegacia Seccional de Jales e professor da Academia de Polícia do Estado de São Paulo divulgou algumas orientações lembrando que apesar das vantagens oferecidas pela Black Friday, vislumbra-se um incremento das fraudes praticadas por meios eletrônicos, o que é comum também em outros períodos como Natal, dia dos pais e dia das mães.
Outra informação do delegado é que sempre que uma compra ou contratação de serviço é realizada fora do estabelecimento comercial, como ocorre nas aquisições realizadas pela internet, o consumidor pode exercer o direito de desistência do contrato desde que seja obedecido o prazo de sete dias contados da sua assinatura ou ato de recebimento do produto ou serviço. Ele cita o exemplo de uma pessoa que comprou um celular em uma loja virtual que pode ser devolvido dentro de sete dias, recebendo integralmente o valor que pagou.
Em caso de desacordo a pessoa pode recorrer ao Procon, ao Juizado Especial Cível, a um advogado ou publicar reclamação no ReclameAqui. Caso tenha sido vítima de transação fraudulenta ela deve comparecer a uma Delegacia de Polícia para elaborar um boletim de ocorrência, apresentando o máximo de informações possível, inclusive cópias de anúncios, de perfis nas redes sociais ou de conversas mantidas com criminosos.

Desenvolvido por Enzo Nagata