quarta 05 agosto 2020
Agronegócio

Banco do Brasil antecipa abertura de financiamento para o agronegócio

O novo gerente do Banco do Brasil em Jales, Marcelo de Freitas Silva promoveu, no dia 27 de janeiro, sexta-feira, uma palestra para clientes voltada para o fornecimento de informações sobre as principais linhas de crédito destinadas ao agronegócio.
Ele explicou que o lançamento do pré-custeio que normalmente acontecia em março este ano foi antecipado para janeiro, permitindo ao produtor adiantar o financiamento da sua próxima safra, como forma de fomentar a agropecuária.  
Para essa linha de crédito foram liberados R$ 12 bilhões, com taxa de juro anual entre 8,5% para o médio produtor e 9,5% para os demais. Para a safra passada foram liberados cerca de R$ 11 bilhões que acabaram em pouco tempo. O gerente acredita que este ano deverá ser igual, por isso, como afirmou, é importante que os interessados façam seus financiamentos o mais rápido possível.
Além de se prever uma safra maior, o valor este ano também foi maior porque em momentos de crise a procura por crédito aumenta, embora, como afirmou, o agronegócio continua sendo um dos segmentos mais importantes para o banco.
Marcelo explicou que o banco conta com diversas linhas de crédito para o produtor, como o Invest Agro para compra de animais, reprodução, recria e engorda, aquisição de maquinários e até de aeronaves. 
Outra linha é o ABC (Agricultura de Baixo Carbono), para plantio de cana na palha, reforma de pastagem e aquisição de animais e outras finalidades, com taxas de juros de 8% ano para o pequeno e médio produtor e 9% para os grandes, com carência e prazo de pagamento que pode chegar a 15 anos, dependendo da produção. 

AGRICULTURA FAMILIAR
Marcelo também destacou as linhas de crédito voltadas para a agricultura familiar que incluem o Pronaf  Mais Alimentos, que é uma linha para investimentos. 
A agricultura familiar, como explicou Marcelo, também é um segmento muito forte na região, formada pelos pequenos produtores que podem contar com o banco para aquisição de animais, reforma de pastagem, melhoria da produtividade, plantio e custeio da produção. No caso da fruticultura existe um incentivo que reduz o juro para até 2% ano ao, dependendo da produtividade, sendo que para os demais produtos, o juro é de 5,5%.
Marcelo informou que em Jales existem muitos financiamentos em andamento e ele acredita que este ano as expectativas serão superadas.

Desenvolvido por Enzo Nagata