jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

BANANAS

NÃO, NÃO QUERO BANANAS!
05 de maio de 2014

Não! Não somos todos macacos! Somos todos AFRICANOS! Somos filhos de Adão e Eva, dirão os Criacionistas; Adão e Eva, se existiram, foram africanos! Somos filhos de uma Evolução, dirão os adeptos do Darwinismo; ora, o hominídeo mais antigo viveu na África! Darwin afirmava que o homem e o macaco são descendentes de um ancestral em comum, não que somos descendentes de macacos. Desde que se argumente com inteligência, somos descendentes de africanos, nunca de macacos!
Os defensores de movimentos negros entraram em furor esta semana, com as declarações e as fotos postadas nas redes sociais por jogadores de futebol, em apoio (legítimo) ao jogador Daniel Alves, vitima de racismo. Porque entraram em furor? Pela forma como foi feito! Celebridades do mundo futebolístico e novelísco tupiniquim, (com muita boa vontade e pouco senso de inteligência, que, em muitos casos, lhes é característico), resolveram combater o racismo utilizando o argumento que é mais caro aos negros: serem taxados de macacos! As redes sociais e os noticiários esportivos foram invadidos por fotos de personalidades conhecidas nacional e mundialmente, prestes a devorarem bananas, ou bradando a célebre frase de Neymar Jr: Somos todos macacos!
É caro aos negros, pois foram oficial e pseudo-cientificamente, comparados á animais, por mais de 5 séculos. Por mais de quinhentos anos tiveram seus crânios sendo medidos e pesados, e suas feições sendo comparadas aos primatas. Foram, até poucas décadas, tratados como animais, debaixo do chicote, em navios da Marinha Brasileira, ou em fazendas de café do interior paulista. Na capital norte-americana, Washington, jogados aos cães, quando foram ás ruas nos anos 60. Na “civilizada” Londres, era possívelnos anos 30, visitar “Zoológicos Humanos”, onde se viam negros vivendo enjaulados com suas famílias, como animais!Em Nova York, Ota Benga,negro do Congo, ficou em um Zoológico, lado-á-lado com macacos, para servisitado e comparado o quanto seriam parecidos.Esta onda midiática, por vezes publicitária, de autopromoção, sob o pano de fundo antirracista, beira cinismo e hipocrisia. A tradição popular já consagrou que, comida de peixe é minhoca; comida de gato é peixe; comida de cachorro é osso, e comida de macaco é...banana!
É a mesma sociedade que torce nariz para a Politica de Cotas Raciais. É esta mesma sociedade composta por brancos, negros (se jogador de futebol, em geral, milionário) e miscigenados, que diz para o negro pobre (aquele que enfrenta o racismo no dia-a-dia, sem câmeras ou plateias): tire uma foto comendo uma banana; afirme que todos os homens são macacos e o racismo acabará! Contra o racismo, nada de bananas, pois não somos macacos!

Márcio Rodrigues
(Graduado em História. Leciona História e Filosofia no Estado de São Paulo)