jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

ASTRAL – O desempenho das escolas da rede municipal de educação dado a conhecer oficialmente na terça-feira, dia 4, quando foi divulgado o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica ...

Fique Sabendo
09 de setembro de 2018
Prefeito Flá representou seu padrinho político Rodrigo Garcia, candidato a vice-governador, no encontro da campanha de Luís Henrique com o federal Guilherme Mussi
ASTRAL – O desempenho das escolas da rede municipal de educação dado a conhecer oficialmente   na terça-feira, dia 4, quando foi divulgado o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, colocando a rede  de Jales  como a melhor do Estado e a terceira do Brasil em cidades com até 48 mil habitantes contribuiu muito para tirar o prefeito Flávio Prandi Franco (DEM) do baixo astral decorrente da má repercussão dos desvios praticados pela ex-tesoureira da Prefeitura, Érica Carpí, descobertos pela Polícia Federal no que se convencionou chamar de Operação Farra no Tesouro.  

BOMBA RELÓGIO – Embora não houvesse nada que implicasse o atual prefeito até porque os desvios vinham sendo praticados desde 2008, quando o Chefe do Executivo era Humberto Parini (PT), tendo passado ainda por Eunice Mistilides Silva (PTB) e Pedro Manoel Callado Moraes (PSDB), contam assessores próximos que o chefe deles sentiu mais o baque porque a bomba de efeito retardado caiu em seu colo. 

BOCA DO POVO – Outro motivo de alívio para o prefeito. Segundo um de seus assessores, ele recebeu de um deputado federal e candidato à reeleição os resultados de pesquisa realizada em Jales após a Farra no Tesouro. Os números apurados indicam que o escândalo provocado pelos desvios praticados pela ex-tesoureira da Prefeitura não colou em Flá. E mais: a avaliação da administração foi considerada positiva. 

CÁ E CÁ – Dá para entender também porque o prefeito voltou a sorrir. O presidenciável Ciro Gomes (PDT) e seu irmão Cid, ex-governador e candidato ao Senado pelo Ceará, vivem cantando em prosa e verso a excelência do ensino propiciado em Sobral, terra deles, considerado o melhor do Brasil. Ou seja, a educação municipal de Sobral virou carro-chefe de uma campanha presidencial.

ESTE FILME EU JÁ VI – Por falar em presidenciáves. Henrique Meirelles (MDB) tem dito nas inserções de televisão que está bancando a campanha com seus próprios recursos. Nenhuma novidade. Os jalesenses que estão hoje na faixa de 50 anos sabem que, em 1982, Valentim Paulo Viola se elegeu prefeito de Jales pagando todas as despesas do bolso. Não pediu um centavo nem aos compadres. 

PRIMEIRO ANDAR  – Causou estranheza a presença do prefeito Flá no encontro promovido pelo candidato a deputado estadual Luís Henrique Moreira (Podemos), segunda-feira, dia 3, para receber o deputado federal Guilherme Messi, presidente estadual do PP. O que se diz nos bastidores é que a ordem veio de cima. O deputado federal Rodrigo Garcia (DEM), candidato a vice-governador na chapa de João Dória (PSDB), pediu que o prefeito de Jales o representasse. Motivo: Mussi, em nome do PP, teria sido  fundamental para sacramentar a vaga de Rodrigo na candidatura a vice. 

POMBO CORREIO – Se depender do deputado estadual Itamar Borges, candidato à reeleição, os Correios não vão quebrar mais. O Bigode mandou via postal dois maçudos envelopes aos correligionários com material de campanha. 

SOU EU – O Delegado Sakashita (PHS) continua tentando comer pelas beiradas. No sábado, dia 1º de setembro, ele ensaiou uma carreata. Na frente, um carro de som. Atrás, ele e alguns amigos. A legislação eleitoral impede que só o carro de som circule com propaganda de candidatos. Tem que haver pelo menos mais um veículo para caracterizar passeata.

 BRANCO TOTAL – Analice Fernandes, deputada estadual mais votada em Jales nas últimas quatro eleições, continua tentando desobstruir a pauta da Assembleia e ver aprovado o projeto que institui turno de 30 horas semanais para as enfermeiras. A ideia é boa. Tão boa que já apareceu uma candidata no horário eleitoral gratuito da televisão pedindo a mesma coisa.