jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

As aflições do Enem e as lições do patriarca

Editorial
13 de novembro de 2017
Hoje, 12 de novembro, 6 milhões e 700 mil candidatos estarão de volta aos locais previamente designados para se submeterem à segunda e última fase do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. Segundo dados do Ministério da Educação, mais da metade dos alunos (57,7%) já utiliza a nota do Enem para ingressar no ensino superior público do país.
A proporção de uso do Enem nos processos seletivos é quase o triplo nos processos seletivos da registrada em 2010 (20,22%), conforme o Censo da Educação Superior de 2016. 
No universo total dos calouros que começaram a tentar vaga domingo passado e prosseguem hoje, o Enem já seleciona três em cada 10 estudantes. 
Enfim, o Enem é uma prova de fogo para os estudantes e, no andar da carruagem, só os fortes resistem, tal a pressão que antecede o exame agora em duas fases.
A tarefa de ingressar em uma universidade  vem carregada de aflições, noites indormidas, o que acaba contaminando as famílias todas, principalmente os pais. 
Portanto, a tarefa não é fácil, mas, convenhamos, já foi mais difícil, quando o vestibular era a única porta para ingressar no ensino superior, havendo cursos com proporções quase desumanas na base de uma vaga para até 80 candidatos.
Mesmo assim, tendo que passar por esse verdadeiro corredor polonês, muitos conseguiram chegar lá, inclusive com o apoio , o incentivo e, em certa medida, a marcação cerrada dos pais, exigindo foco nos estudos e muita disciplina.
Há um bom número de casos bem sucedidos em Jales, mas o mais emblemático é o do agricultor Akira Sakashita, tema de matéria especial publicada na edição de 15 de agosto deste ano, alusiva ao Dia dos Pais.
Naquela reportagem, o Jornal de Jales revelou que aquele imigrante japonês, ao exigir aplicação nos estudos,  tinha conseguido formar os 11 filhos nas mais renomadas universidade públicas paulistas como USP,UNICAMP e UNESP.
Akira Sakashita faleceu na última terça-feira, dia 7 de novembro, aos 95 anos. Ele viajou para o oriente eterno deixando  um legado de sabedoria e,  mais do que isso, uma lição de vida para  pais aflitos com o futuro dos filhos. O patriarca mostrou, na prática, que nada é impossível.