jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

APESAR do rigor da lei e das exaustivas campanhas de prevenção, a falta de responsabilidade, muitas vezes considerada como um mal menor ou simplesmente um pequeno descuido, acaba se tornando um problema para quem não se cuida.

Contexto
06 de outubro de 2019
APESAR
do rigor da lei e das exaustivas campanhas de prevenção, a falta de responsabilidade, muitas vezes considerada como um mal menor ou simplesmente um pequeno descuido, acaba se tornando um problema para quem não se cuida.

QUANDO
mais uma blitz é realizada em Jales, na noite de sábado e madrugada de domingo, para fiscalização da chamada Lei Seca, os números falam por si: nada menos do que 26 motoristas foram autuados, de um total de 430 fiscalizados, o que dá bem uma noção de quantos condutores nessa situação passaram pelas avenidas Francisco Jalles e João Amadeu.

AGORA,
ao serem autuados por embriaguez ao volante ou por recusarem se submeter ao teste do etilômetro (bafômetro) eles terão de pagar multa no valor de R$ 2.934,70, além de responderem a processo administrativo no Detran-SP para a suspensão do direito de dirigir por 12meses.

É CLARO
que nos finais de semana a embriaguez ao volante é bem mais comum do que nos dias normais, quando não há eventos ou não se tem tempo para tomar umas cervejas com os amigos, mas mesmo assim, parece que a lei não está preocupando muito os motoristas da cidade.

A BLITZ
que envolve policiais militares, civis e técnico-científicos, faz parte do programa Direção Segura, do Detran-SP  que também realizou uma ação na Praça João Mariano e Freitas, para marcar a Semana Nacional do Trânsito, mostrando os perigos a que os motoristas estão expostos, com seus acompanhantes.

E SEMPRE
que se fala em acidentes de trânsito, as motos estão, disparadas, em primeiro lugar, preocupando cada vez mais a população, sujeita aos abusos dos motoqueiros, principalmente dos entregadores que estão sempre querendo ganhar tempo, muitas vezes em alta velocidade e desrespeitando as regras mais elementares do trânsito. 

É BOM
lembrar que os maiores prejudicados são os próprios motoqueiros, pois se colocam em risco a vida dos pedestres, a deles está sendo muito mais arriscada, pois muitas vezes os acidentes acontecem sem envolver outras pessoas.

DIRIGIR
embriagado, abusar com as motos ou simplesmente não prestar a atenção que o trânsito exige só pode resultar mesmo em um número cada vez maior de autuações e riscos para a saúde, apesar das campanhas e trabalhos permanentes de fiscalização. (Luiz Ramires)