Editorial

Apesar da pandemia

Está claro como a luz do dia que a pandemia decorrente da Covid-19 fará estragos na economia do país como já está fazendo nos demais lugares do mundo onde o vírus chegou.

Até a cúpula dirigente da poderosa China , que dividiu a liderança do ranking de prosperidade com os Estados Unidos nos últimos anos, admite uma inevitável marcha-a-ré.

Como, apesar dos negacionistas e terraplanistas, o mundo é redondo, o Brasil também está na lista dos que pagarão alto preço por tudo o que está acontecendo.

Na última quarta-feira, dia 13, por exemplo, os mais renomados analistas brasileiros, com base em dados oficiais do próprio Ministério da Economia, cravavam uma substancial queda do PIB , que é a soma de tudo o que um país produz.

Os números são de assustar. As previsões mais realistas apontam a redução do Produto Interno Bruto em 2020 em 4,7%. Parece pouco, mas é muito, eis que as previsões iniciais falavam, no período pré-Covid, em crescimento da ordem de 0,7%.

Estilhaços do petardo vão sobrar para todos os entes federativos, desde a União, que fica com a parte do leão da arrecadação nacional, passando pelos estados e municípios—estes, os primos pobres dos impostos recolhidos.

Porém, apesar do baixo astral reinante em todos os cantos, parece que Jales, mais uma vez, deve ser a avis rara em termos de cenário de investimentos.

Como antecipou a coluna “Fique Sabendo” na edição de domingo passado, 10 de maio, o superintendente da Sabesp em Lins, Antonio Rodrigues da Grela Filho, o Dalua, o gerente divisional da empresa em Jales, Gilmar Rodrigues de Jesus, e o prefeito Flávio Prandi Franco anunciaram investimento da ordem de R$ 8 milhões e 500 mil para a perfuração do Poção III, entre Jales e Urânia, e um reservatório na Avenida Ayrton Senna.

A parceria entre a Sabesp, que vai entrar com a expertise em obras desta natureza e os recursos necessários para a concretização do projeto, e a Prefeitura, que vai ter que se virar nos 30 para viabilizar a área, é uma lufada de bons ventos em momentos tão difíceis.

De outra parte, o novo investimento é o maior documento de prova de que que a direção do J.J. não cultiva bairrismo imbecil quando repete como se fosse um mantra algumas verdades entre as quais uma em especial.

Queiram ou não os derrotistas de carteirinha, em matéria de saneamento básico Jales tem nível de cidade de Primeiro Mundo, com 100% de água e esgoto tratados. 

Desenvolvido por Enzo Nagata