jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

AOS POUCOS ...

Contexto
01 de outubro de 2017
AOS POUCOS
algumas determinações, inclusive previstas em leis, que obrigam a população a cuidar melhor da cidade como um todo a partir de suas próprias propriedades na área urbana começam a apresentar resultados que vão se consolidando ao longo do tempo.

SE ANTES
não se tinha cuidados com as obras de infraestrutura em novos loteamentos, isso parece que vai ficando para trás, evitando, a parir de agora, problemas sérios para os moradores desses locais que acabam cobrando soluções caras da prefeitura, principalmente para recuperação do asfalto deteriorado e galerias.

A ISSO
se somam projetos de acessibilidade, com vias mais adequadas, prevendo o aumento do número de veículos nos próximos anos, áreas de lazer, cuidados com o meio ambiente, incentivo para o pequeno comércio nos bairros  e outros, buscando facilitar a vida das pessoas.

PARECE
ter sido uma contribuição a mais nesse sentido o projeto de lei apresentado pelo vereador Adalberto Francisco de Oliveira, o Chico do Cartório (PMDB), que obriga os proprietários de terrenos particulares e chácaras urbanas, não edificados, a afixar placas para identificar os mesmos.

SE JÁ EXISTEM
leis como a que obriga a limpeza e construção de calçadas nas frentes dos terrenos, esta vem para a identificação dos mesmos e facilitar a localização dos seus proprietários, como afirma o vereador. 

O PROJETO
prevê ainda que os imóveis devem ser identificados com o número definitivo que terão depois da edificação, sendo que a medida é válida para loteamentos com mais de cinco anos, pois os mais recentes já contam com essa providência. 

ISSO
também deverá facilitar as denúncias contra os proprietários que não cuidam dos seus terrenos, deixando acumular lixo e mato, pois quem não cumprir com a regulamentação poderá ser multados em 3 UFMs (Unidades Fiscais do Município), que hoje está em aproximadamente R$ 600.

A PROPOSTA
do vereador é resumida por ele próprio, quando afirma que quer organizar a  cidade, com o objetivo de, se as pessoas precisarem de alguma informação sobre algum lote que está vago, ter um número próprio para identificar esse lote, o mesmo valendo para cobrar a sua devida manutenção. (LR)