jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Aos 51 anos o Lar Transitório São Francisco de Assis continua em plena atividade

Outro trabalho importante é o Projeto Amar, de assistência à maternidade que oferece uma banheirinha com um kit de material para uso da criança.
22 de maio de 2017
O presidente do Lar Transitório, João Altimari, com o filho Fernando e a esposa Regina
Ao completar 51 anos de fundação, no dia 25 de maio, o Lar Transitório São Francisco de Assis, atualmente presidido por João Altimari, além de ter muitas histórias para contar continua desenvolvendo várias ações, prestando um trabalho relevante para a comunidade local e regional.
O vice-presidente Oswaldo Polízio Júnior, o Vadinho, filho dos fundadores Dona Janda e Oswaldo Polózio, destaca entre as atividades desenvolvidas atualmente pelo Lar o projeto de capoeira, comandado pelo mestre professor Ricardo. 
Outro trabalho importante é o Projeto Amar, de assistência à maternidade que oferece uma banheirinha com um kit de material para uso da criança. A mãe também recebe lanches e orientação sobre cuidados com o bebê. É um projeto que precisar ser ampliado, como afirmou Vadinho.
Tem ainda o projeto de música que está sendo implantado e deverá contar com uma fanfarra e um grupo de olodum. O Lar ganhou instrumentos musicais de algumas escolas e pretende desenvolver um trabalho com as crianças contando com professores de música interessados em contribuir com atividades como essa. Na parte musical, o Lar já conta com o projeto de coral, com meninas. E como sempre fez, continua com seu trabalho assistencial, distribuindo cestas básicas para famílias carentes.

APOIO
Tudo isso só é possível com apoio da comunidade e dos órgãos de comunicação. Vadinho destaca dois eventos importantes para contribuir com as despesas do Lar. Um é o jantar, em maio, de aniversário da entidade e o outro é o jantar da construção civil, no final do ano, quando é homenageado um profissional da área aposentado. Para este evento o Lar também conta com o apoio dos lojistas da construção civil e dos profissionais que trabalham em obras.
Várias iniciativas da comunidade também servem como estímulo para a continuidade e ampliação de todo o trabalho, como afirmou Vadinho, lembrado que esse reconhecimento é fundamental, até como estímulo para a equipe de colaboradores do Lar.

BREVE HISTÓRIA
Vadinho lembra que o Lar Transitório São Francisco de Assistem tem muitas histórias de recuperação dessas crianças, narradas pelas próprias ou por pessoas que conheceram profissionais que passaram pela instituição.
O Lar nasceu da iniciativa de dona Janda e seu marido Oswaldo Polízio, que sentiram a necessidade de acolher crianças carentes e suas famílias, quando foram construídas 22 casas em uma área de três alqueires cedidas por Alcebíades Bernardes. O fato está registrado no fascículo 30 do Projeto Memória, editado pelo Jornal de Jales, em junho de 1997.
Problemas com o abrigo das famílias logo levaram o local a se transformar em um internato, quando surgiu o Lar Transitório, que chegou a atender até 200 crianças e foi chamado de Cidade dos Meninos pelo diretor proprietário do Jornal de Jales, Deonel Rosa Júnior que conhecia de perto o trabalho desenvolvido por Dona Janda e seu Oswaldo.
Cerca de 20 anos depois o Lar Transitório se transformou em uma creche, com orientação da Secretaria de Estado da promoção Social, mas por força de mudança na legislação, teve que atender as crianças em apenas um período, com cursos e oficinas à tarde.
Hoje a entidade continua com suas atividades, procurando ampliar o atendimento, contando sempre com o apoio da comunidade, como lembrou Vadinho.