contato@jornaldejales.com.br
17 3632-1330

Amor: fácil falar, difícil praticar!

Por Carol Guzzo
10 de fevereiro de 2020
Caroline Guzzo
Palavra com apenas quatro letras, mas com o significado tão grandioso. Desafio você a dizer o que é amor? Está pensando, né? Mas, podemos falar tantas coisas sobre ele e ao mesmo tempo ainda não saberíamos o que realmente é.
Penso que o amor é doação, respeito, cuidado, afeto, carinho, multiplicidade, é infinito, simplicidade, perdão, empatia, dor, surpresa, revelação, enfim, é um leque de adjetivos que não caberia neste artigo. 
Mas, o Padre Fábio de Melo, fez uma reflexão muito mais pertinente, é preciso primeiramente aprender a amar e se amar, como o mandamento “Ame o seu próximo como a si mesmo”, e para isso, precisamos que Deus modifique dentro de nós o que interpretamos como amor, pois, você já parou para pensar que em nome dele, comete-se atrocidades, matam, sequestram, fazem pessoas infelizes, não se diz não quando necessário, fazem guerras, divisões e o caminho não é esse. Por isso, precisamos amadurecer esse conceito. 
Quando resolvi escrever um artigo sobre esse assunto, achei que seria fácil, mas fique sabendo que está sendo o primeiro desafio de 2020. Até porque o meu objetivo como articulista é fazer você pensar sobre o que eu escrevo. Vamos lá? 
Aos que dizem que por amor é capaz de matar, vejam as estatísticas divulgadas no site UOL, relatando que o Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de Feminicídio, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas pra os Direitos Humanos (ACNUDH). O país só perde para El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia em número de casos de assassinato de mulheres. Não se pode achar que isso é amor, Deus o livre, remeter a tanta discórdia com uma palavra tão linda. Muitas dessas reações estão voltadas, ao meu ver, para o machismo, sufocamento, o medo de perder, ciúmes, obsessão. 
E, para confundir ainda mais a minha interpretação sobre o amor, esses dias li uma matéria que fiquei de boca aberta. O julgamento de um caso de feminicídio no Rio Grande do Sul, acabou em beijo. A vítima que foi atingida por cinco disparos de arma de fogo pelo namorado em 2019, encerrou o caso pedindo ao juiz permissão para beijá-lo, mesmo não sendo autorizada, ela trocou esse “digamos carinho” e ainda disse que ele foi o melhor homem com quem se relacionou na vida. Ah, tem mais, o plano da vítima é casar com o réu. Perdão? Amor? Paixão? Loucura? Sei lá o que é isso. 
Tem ainda aquela discussão entre amor e paixão, ao meu ponto de vista, nada técnico, paixão é passageira, repentina, digamos que momentânea. O amor é para sempre. Por isso, cuidado, podemos confundir esses dois bonitinhos aí. 
Já ouvi relatos de diversas mães que dizem saber o que é o amor, só depois de ter um filho, parecem que descobrem um sentimento novo. Aquele que tipo arde o coração de tanto que ama. É, eu acredito. Não sou mãe, mas fico imaginando o que a minha sente por mim. 
Para finalizar a sábia Madre Teresa de Calcutá disse “É fácil amar os que estão longe. Mas nem sempre é fácil amar os que vivem ao nosso lado” e para complementar “… há um jeito muito rico de ser pobre, há um jeito muito pobre de ser rico, o que nos faz homens e mulheres de verdade é o quanto fomos capazes de amar e ser amados… De nada vale uma casa bonita se ela não estiver cheia de pessoas que se amam…” Padre Fábio de Melo. 
Vamos aprender juntos o que é amor? Beijinhos!!!

Caroline Guzzo
 (MTb 71628/SP- Jornalista, jalesense,   radicada em Uberlândia)