quarta 14 abril 2021
Arquibancada

América alviverde e o sonho do Mundial

Depois de 21 anos de espera, o Palmeiras é novamente campeão da Libertadores da América. Em final truncada no Maracanã, a equipe de Abel Ferreira venceu o Santos por 1 a 0 e a estrela de Breno Lopes brilhou nos acréscimos para garantir o bicampeonato.

Cercado de enorme expectativa durante toda a semana, o confronto com o Santos não reservou grandes emoções. Mesmo não sendo uma equipe espetacular, a marca do Palmeiras campeão da América é a qualidade da defesa liderada por Weverton e Gustavo Gómez, somada ao talento de grandes jogadores do meio-campo e ataque como Gabriel Menino, Rony e Luiz Adriano.

O título do Verdão é merecido e a chegada do técnico Abel Ferreira, no dia 30 de outubro, foi a cereja do bolo de um trabalho muito bem feito que começou em 2015 com o ex-presidente Paulo Nobre. O Verdão que antes acumulava péssimas temporadas, se organizou para conquistar Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Campeonato Paulista e agora a Libertadores da América.

A partir da tarde de hoje o desafio é maior e o sonho é o título do Mundial de Clubes. Para chegar a maior conquista da história do clube, o Alviverde precisa derrotar o espetacular Bayern de Munique, mas antes disso tem confronto difícil com o Tigres.

Para a partida diante dos mexicanos, o Palmeiras precisa entrar em campo preparado para um jogo com cara de Libertadores. O experiente time comandado pelo brasileiro Ricardo Ferretti é o atual campeão da Concachampions (equivalente a Libertadores para os clubes da América Central e do Norte) e tem um elenco recheado de atletas experientes.

O craque do time é o ótimo atacante francês André-Pierre Gignac, artilheiro da equipe na temporada com 20 gols. Além disso, outros jogadores chamam atenção como o brasileiro Rafael Carioca, os argentinos Nahuel Guzmán e Guido Pizarro, o colombiano Luis Quiñones e o mexicano Javier Aquino.

O ponto forte do clube do México é o entrosamento, com atletas que atuam juntos há mais de cinco anos. O ponto fraco que o Palmeiras precisa explorar é a idade avançada de alguns jogadores e a lentidão da equipe em momentos da partida, principalmente no setor defensivo.

A missão de conquistar o mundo é duríssima, porém a equipe de Abel Ferreira tem totais condições de passar pelo Tigres e chegar à final. O Palmeiras é melhor que o rival mexicano e o equilíbrio emocional será a chave do sucesso na partida.


 Eduardo Martins

(jalesense, jornalista com formação da PUC-Campinas) 

Desenvolvido por Enzo Nagata