jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

ACIJ pede fechamento do comércio às 16 horas em apoio aos caminhoneiros

Leandro espera que a adesão do comércio seja realmente grande para conscientizar a população sobre a necessidade de apoiar os motoristas em suas reivindicações.
28 de maio de 2018
O presidente da Associação Comercial e Industrial, Leandro Rocca Lima pede aos empresários que fechem suas portas a partir das 16 horas

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Jales, Leandro Rocca Lima, anunciou hoje pela manhã, em entrevista coletiva, que a diretoria da entidade decidiu convocar todos os empresários para fecharem suas portas a partir das 16 horas, mostrando a força do comércio jalesense e a importância do apoio ao movimento dos caminhoneiros que prossegue nesta segunda-feira.

Leandro espera que a adesão do comércio seja realmente grande para conscientizar a população sobre a necessidade de apoiar os motoristas em suas reivindicações. Da mesma forma, a associação também fechará suas portas nesse horário.

O presidente da ACIJ elogiou os manifestantes de Jales, onde todos estão se comportando de forma adequada, sem bloqueios, sem álcool e recebendo o apoio da comunidade que está abastecendo esses pontos de paralisação levando água e alimentos para todos, num grande gesto de solidariedade.

Apesar da falta de combustíveis nos postos e de alguns produtos que já começa a se ser sentida em supermercados e outros estabelecimentos, Leandro afirma que isso faz parte de um movimento como este, pois às vezes é preciso piorar, para melhorar, levando a população a se posicionar, como está acontecendo agora.

Leandro espera que as negociações com o governo dêem bons resultados e coloquem um fim no movimento o mais rápido possível, pois os problemas causados são muitos, inclusive entre as centenas de pequenos produtores rurais da região que não têm para onde levar seus produtos que estão deteriorando.  

Se isso não acontecer, a ACIJ deverá continuar acompanhando a manifestação e as negociações, podendo tomar novas atitudes de acordo com a evolução dos acontecimentos, como afirmou seu presidente.