jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

A violência nossa de cada dia

por Roberto Gonçalves
28 de janeiro de 2018
Roberto Gonçalves
A humanidade viveu um século dezenove romântico e feliz, legando à posteridade os maiores escritores, compositores, poetas,pintores e tudo mais que faz lembrar paz, vida, harmonia e alegria.
A escravidão, maior violência da história brasileira, foi abolida no século dezenove. Em favor de um mundo melhor. tivemos também grandesinvenções, promovendo um grande salto de qualidade na sociedade.
Entre os grandes avanços da ciência, a genial invenção de Freud, pai da psicanálise, a cura pela palavra, o controle das neuroses e o trabalho no inconsciente, sempre em busca de pacificar as  emoções.
Eis aí que surge o século XX, promovendo logo em seu início (1914) à Primeira Guerra Mundial, revelando ainda o que iríamos experimentar de violência dali em diante. E tivemos a Segunda Guerra Mundial, as guerras de libertação das colônias, o lançamento de milhões de carros entupindo as cidades, poluindo, provocando brigas no trânsito, acidentes nas estradas.
O cinema que traz alegria, cultura, conhecimento, também trouxe a violência dos bang-bang, colocando os revólveres na cinturas das pessoas e imitando o acerto de contas que sempre acontecia no final dos filmes. Justiça com as próprias mãos !
A violência familiar consistia no espancamento da mulher, que não denunciava o marido, por amor a ele, aos filhos, e também por ser dependente financeira do vilão.
Pessoas portadoras de quadros depressivos ou surtos psicóticos, tiravam a própria vida, através do copo de veneno, o famoso Formicida Tatu, ou jogavam a corda no galho da árvores e nas grandes cidades usavam o recurso de saltar de prédios ou viadutos.
Tiro no peito ou no ouvido se tornaram mais comum a partir de 1954, após o famoso suicídio do Presidente Getúlio Vargas.
O expediente de matar pessoas queridas e suicidar-se em seguida é a mais recente tragédia da sociedade brasileira, por várias razões, começando pelo caráter sentimental aguçado do nosso povo. A família é um valor muito valorizado na cultura brasileira.
Nos países jovens como o Brasil, somos o de menor tragédia em crimes coletivos, enquanto os Estados Unidos, já de longa data, é vitimado, continuamente, por assassinatos em massa, provocados por psicopatas, psicóticos e portadores de patologias menos graves, que poderiam ser tratadas por psiquiatras e psicanalistas.

TRAGÉDIA RARA 
Recentemente, em Araçatuba, um comerciante estabelecido em Jales, progressista cidade do noroeste paulista, matou várias pessoas de sua família. Uma tragédia difícil de acontecer no Brasil, mas que poderia ser reduzida se houvesse procura de tratamento no primeiro sinal de perturbação mental. Todas as doenças mentais mandam recado. O portador de problemas talvez não consiga elaborar que esteja com problemas. Mas seu comportamento estranho, que quase sempre se revela, é notado pelas pessoas que convive. Bastava procurar ajuda em clínicas especializadas e iniciar o tratamento adequado para seu problema.
Nenhuma situação financeira ou transtorno eventual por outras causas leva uma pessoa saudável à gestos tresloucados. A mente perturbada e não trabalhada pelos especialistas que não foram procurados é a responsável.
A solidão, maior fenômeno depressivo da atualidade, está entre as causas principais do comportamento violento gerado por delírios e alucinações. E solidão tem tratamento no campo da psicanálise.
Todas as pessoas, portadoras ou não de patologias que exigem tratamento, deveriam procurar psicanalistas, profissionais que trabalham sintonizados com psiquiatras e neurologistas, resultando desta aliança, aconselhada pelo médico neurologista Sigmund Freud, pai da psicanálise, um tratamento adequado para todos os casos.
A psicanálise é a cura pela palavra, não recorrendo ao campo farmacológico, atribuição exclusiva de psiquiatras e neurologistas.
A sociologia explica a moderna violência que chegou ao Brasil e cresce a velocidade supersônica. É preciso um esforço gigantesco da sociedade para combater a violência, porque temos um governo falido e corrupto que perdeu completamente a capacidade de investimento nas áreas de educação e saúde.
A psicanálise explica a importância da prevenção da violência, começando pela visita ao divã, mesmo que a pessoa não sinta nada errado em sua conduta. Grandes tragédias foram provocadas por pessoas que nunca apresentaram sintomas de transtornos ou comportamento agressivo, apenas um profissional com excelência como um psicanalista pode analisar e ver o que outros não vêem, evitando grandes tragédias que estamos assistindo na contemporaneidade.
Cuidar do nosso  psique e das pessoas que amamos é  prevenir, deixando de ser um luxo e sim uma necessidade.

Roberto Gonçalves 
(é psicanalista , presidente do Instituto Brasileiro
de Psicanálise Contemporânea e autor do livro “Declaração de amor a vida).