jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

A tática nazista na Reforma da Previdência

por Caroline Guzzo
21 de janeiro de 2018
Caroline Guzzo
Como dizia o Ministro da Propaganda durante o governo de Adolf Hitler, Paul Joseph Goebbels, “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. Assim acontece com a propaganda sobre a reforma da previdência, na qual o Governo Federal alega que as mudanças devem ocorrer para superar o déficit de bilhões de reais, que na verdade não existe, e você está mais uma vez sendo enganado. 
O alegado rombo divulgado para justificar a supressão de diversos direitos previdenciários, duramente conquistados a partir da redemocratização brasileira, que resultou na edição da Constituição Federal de 1988, é uma história muito antiga, que teve início ainda na época em que o país era governado por Getúlio Vargas, que utilizou recursos do caixa previdenciário para construir pontes, estradas, entre outras coisinhas a mais que não poderiam ter sido financiadas com esse dinheiro.
Além disso, a legislação brasileira permite que o Governo Federal, por meio da Desvinculação das Receitas da União, possa retirar 20% de receita previdenciária e aplicá-la em qualquer finalidade, contribuindo, ainda mais, para aumentar o “rombo previdenciário”.
Assim, todo esse alvoroço quanto ao déficit não passa de uma mentida descarada, dado que o Brasil não tem nenhum déficit na previdência social, mais do que isso, sobra muito dinheiro no sistema público que hoje garante aposentadorias e pensões a 32 milhões de trabalhadores.
A desculpa é que com a mudança da previdência eles irão investir em educação, saúde e outras ladainhas. Mentira! Esse dinheiro não pode ser aplicado em finalidade diversa da seguridade social. Pode ser que eles queiram mudar para garantir mais dinheiro em seus bolsos. 
Aliás, com a mudança proposta, para você se aposentar integralmente precisará trabalhar 40 anos da sua vida, caso contrário receberá parcialmente, ou seja, a maioria da população terá de trabalhar ainda mais para se aposentar. Basta o que pagamos de impostos absurdos para os bonitos e agora temos que ralar mais para proporcionar aos seus cofres no exterior maior conforto.
Está cada vez mais decepcionante morar em um país onde a classe rica sempre sai melhor. Não é por acaso que o governo perdoou bilhões relacionadas aos REFIS, afinal os empresários estavam com uma dívida gigantesca com a União e como eles não precisam de dinheiro resolveram perdoar. Coitadinhos dos ricos e milionários. E nós, minha gente, temos que pagar por todo o erro do país, para eles somos pobres e desentendidos dos assuntos políticos, por isso não investem em educação, pois temem que acordemos para os absurdos praticados rotineiramente.

Caroline Guzzo
(é jornalista)