jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

A SINALIZAÇÃO dos anos anteriores de que nada sobra quando da montagem do orçamento municipal para investimentos com certeza tem levado à desmotivação da comunidade como um todo para participar das audiências públicas para discussão do assunto, quando convocadas.

Contexto
15 de dezembro de 2019
A SINALIZAÇÃO
dos anos anteriores de que nada sobra quando da montagem do orçamento municipal para investimentos com certeza tem levado à desmotivação da comunidade como um todo para participar das audiências públicas para discussão do assunto, quando convocadas.

COM
o esvaziamento das audiências, sempre com meia dúzia de gatos pingados e às vezes sem ninguém como aconteceu na última discussão, convocada pela Câmara, há dois meses, a peça orçamentária acaba sendo aprovada sem qualquer mudança significativa, embora algumas alterações necessárias sempre poderiam ser conduzidas de forma satisfatória se a comunidade se mobilizasse em grande número, despertando a sensibilidade de quem pode mexer, mesmo no que já está feito.
 
EXEMPLO
dessa situação é o que está acontecendo com o atendimento prestado pelas ONGs e entidades assistenciais que não sabem como vão sobreviver com os cortes dos recursos federais e estaduais, pois só as campanhas e a ajuda da Prefeitura nunca são suficientes, mesmo com um reajuste anual autorizado pela administração municipal, como aconteceu desta vez, com o aumento de 20% no valor dos repasses. 

AS ENTIDADES
estão mobilizadas e o prefeito se mostrou sensível à causa, mas ainda não apresentou qualquer proposta, enquanto a Câmara como forma de amenizar um pouco a situação, se comprometeu em liberar o que sobrar dos recursos para 2020, em duas parcelas de R$ 150 mil, uma em julho e outra em dezembro, além de repartir cerca de R$ 40 mil que ainda deverão restar neste final de ano.

O IMPASSE
está criado e quem acaba sofrendo são as pessoas do andar de baixo que deixam de receber assistência em vários níveis, por falta de recursos, dificultando ainda mais a vida dos que mais precisam. 

É PROVÁVEL
que alguma forma de melhorar um pouco esse apoio acabe acontecendo, mas com certeza de modo insuficiente para atender as necessidades mais básicas desses serviços prestados, o que provavelmente teria dado melhores resultados se pelo menos uma parcela da comunidade fizesse sua parte provocando as discussões nos momentos adequados. (Luiz Ramires)