jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

A FORMA com que foi colonizada fez de Jales e da região um reduto de milhares de pequenos proprietários rurais que transformaram essa área em um verdadeiro oásis, cercado de cana por todos os lados ...

Contexto
02 de junho de 2019
A FORMA
com que foi colonizada fez de Jales e da região um reduto de milhares de pequenos proprietários rurais que transformaram essa área em um verdadeiro oásis, cercado de cana por todos os lados, possibilitando à agricultura familiar um desenvolvimento muito maior que em outras regiões.

UM EXEMPLO
dessa resistência são os viticultores que depois de um período de dificuldades impostas pelas condições de mercado, principalmente por parte de compradores, volta a crescer, com variedades que surgem sempre para melhorar a qualidade e produtividade, alavancadas pelas pesquisas desenvolvidas pela Embrapa.

PROVA
disso é a Feira da Uva e do Mel, que está programada para setembro, prometendo ser melhor que a do ano passado, quando passou a ser realizada na Praça Dr. Euphly Jalles e que já foi considerada pelos viticultores como um grande evento.

DA MESMA
forma, os produtores de mel e derivados prometem uma boa exposição e venda dos seus produtos, com um crescimento na produção, apesar das dificuldades causadas pela pulverização das grandes plantações, principalmente de cana que tem prejudicado muito o setor.

SE
por um lado tudo vai bem, por outro, um segmento fundamental passa por enormes dificuldades quase impossíveis de se prever há alguns anos, quando a agroecologia começou dar seus primeiros passos na região, motivando os produtores a buscarem suas certificações e formas de produção sem agrotóxicos.

ENQUANTO
a tecnologia avança nesse sentido de forma acelerada, inclusive com as pesquisas voltadas para a agricultura microbiológica, os produtores sentem as dificuldades de vender seus produtos em locais como a Feira de Produtos Orgânicos que funciona ao lado do Comboio, ou com as cestas que não conseguiram se estabelecer.

EM
uma das áreas do estado mais promissoras para essa modernização agroecológica, o que se vê é o desânimo ou alguns agricultores vendendo suas produções para os supermercados dos grandes centros, perdendo com os atravessadores, enquanto a população regional nem sabe direito o que isso representa em termos de saúde para todos e economia para a região.  (LR)