jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

A dramática situação do déficit habitacional no Brasil e em Jales

por Tiago Abra
17 de junho de 2018
Tiago Abra
Tivemos em Jales há poucos dias o sorteio de 99 casas da CDHU. Poucas famílias deixaram o Estádio Municipal felizes. O clima de decepção prevaleceu. Foram aproximadamente 2.500 famílias que ficaram sem o sonho da casa própria. Mas o problema é ainda maior.
O Brasil tem um déficit habitacional de 7,757 milhões de moradias, segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O dado é de 2015, o mais recente, e tem como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE. O Estado de São Paulo tem o maior déficit absoluto, de 1,61 milhão de moradias.
A maior parte do déficit habitacional brasileiro é provocada por famílias com um grande comprometimento da renda com o pagamento de aluguel (3,27 milhões) e pela coabitação - famílias dividindo o mesmo teto (3,22 milhões). As chamadas habitações precárias são 942,6 mil moradias e o restante (317,8 mil) pertence ao chamado adensamento excessivo, ou muita gente morando no mesmo lugar. Desde 2009, o déficit aumentou 5,9%, ou 430 mil moradias. Esse crescimento é puxado pelo ônus com o aluguel, que subiu 68%. 
Em Jales, o déficit habitacional é de 5.947 famílias, de acordo com o Departamento de Habitação da Prefeitura. O último projeto da CDHU na cidade havia sido o Conjunto Habitacional Pedro Nogueira, em 2007, ou seja, há 11 anos, com 250 casas. Por conta desse período sem projetos, o déficit cresceu vertiginosamente em nossa cidade.
A maior parte da necessidade de habitação se concentra em famílias com renda familiar inferior a 2 salários mínimos, e muitas dessas famílias têm renda muito variável entre os meses, uma solução de mercado é bastante difícil nesse caso – ou seja, existe a necessidade de uma atuação por meio de política pública.
Todos esses números nos ajudam a compreender a dimensão do problema. Agora, nosso papel é buscar soluções. É necessário que se façam projetos que englobem não somente a construção de casas, mas também geração de emprego, renda, saúde e transporte de qualidade, e que melhorem de forma definitiva a qualidade de vida dessas famílias.
Em Jales, a Prefeitura precisa atrair novas empresas, colocar em prática projetos de isenção que já existem, e também lutar para a construção de novas casas. É necessário que se faça um levantamento de terrenos que não podem ser utilizados para a CDHU, mas que podem ser vendidos e com o montante, comprar áreas maiores para resolver esse problema.
Um exemplo é o terreno que fica na esquina da Avenida Maria Jalles com a rua 10. Foi cedido ao Estado para a construção de uma escola. A Secretaria Estadual de Educação já se manifestou dizendo que não há o interesse em viabilizar o projeto. Então, que se venda essa área, que tem alto valor pela privilegiada localização, e compre um terreno maior e mais afastado do centro para disponibilizar para a CDHU e resolver assim, o problema de muitas famílias. Já passou da hora de agir!!!

Tiago Abra  
(jornalista, vereador em Jales – PP)