jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

A DINÂMICA das administrações municipais normalmente passa por um processo de busca constante de atendimento ...

Contexto
27 de novembro de 2017
A DINÂMICA
das administrações municipais normalmente passa por um processo de busca constante de atendimento a demandas antes escondidas por trás de outras consideradas prioritárias pela população mas que vão subindo de posto na medida em que se avolumam.

NORMALMENTE
é como se houvesse uma escala de prioridades aguardando a sua vez para cair na boca do povo e crescer até se transformar na nova demanda, exigindo mais atenção do grupo administrativo do que outras questões que pareciam mais importantes.

TUDO ISSO
acontece com muito mais velocidade do que há alguns anos com a população postando suas reclamações e enviando recados para os meios de comunicação tradicionais que muitas vezes os reproduzem de forma quase instantânea, quando não ao vivo. 

ANTES
os veículos tinham que ouvir cada cidadão reclamante e depois transformar a queixa em comentário para na sequência ficar aguardando a resposta dos responsáveis, às vezes por vários dias.

A RODA
girando mais rápido exige respostas imediatas e providências mais aceleradas, para que um problema menor não se transforme em algo aparentemente gigantesco e de solução inviável por falta de dinheiro ou tecnologia disponível.

A SITUAÇÃO 
dos semáforos ou do trânsito em geral da cidade (ver matéria nesta edição)  sem dúvida é a bola da vez que começa alimentar as redes sociais junto com os problemas típicos dos períodos das chuvas.

A ANTENA
administrativa, no entanto, parece estar ligada, dando demonstrações de que as soluções estão a caminho, mesmo com as dificuldades que todos conhecem e o que é mais importante, sem meter os pés pelas mãos.

É PRECISO 
mergulhar fundo na questão antes de se tomar medidas paliativas  e é isso que a administração municipal está fazendo ao encomendar um estudo por equipe especializada para apontar os problemas e soluções para o trânsito e a mobilidade urbana. Depois, é só ter dinheiro para tocar as obras e os serviços, mas aí já é outra história. (Luiz Ramires)