jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

A decisão não é deles!!

Por Jéssica Amadeu de Freitas Montanher
19 de maio de 2019
Jéssica Amadeu de Freitas Montanher
Num sábado qualquer, fazendo compras no mercado vi uma cena que me chamou atenção: a criança no carrinho, sentada naquela parte destinada a este fim e a mãe perguntando pra filha se ela ia querer saladinha hoje mostrando a marmita de legumes. E a criança responde que não e a mãe não leva. Acredito que a criança não tinha mais do que três anos.
O que isso me fez pensar? Bem, não só pensar, mas de ver a materialização de toda a discussão dos psicólogos que estudam sobre o assunto e de tudo que leio.
Hoje em dia, muitos pais deixam a cargo dos filhos decisões que eles ainda não têm maturidade para escolher. Uma criança pequena não tem a capacidade de decidir o que faz bem e o que faz mal na sua alimentação, cabe aos pais ir introduzindo e explicando sobre os tipos de alimentos para a criança ir tendo a experiência e só depois decidir o que quer comer ou não. Bom, eu não sou nutricionista, e não estou aqui para falar o que seu filho deve comer ou não, a questão é que nem sempre a gente come o que quer, na maioria das vezes temos que comer porque precisamos e faz bem a saúde, ou seja, tenho que aprender a controlar os meus desejos e sei que nem sempre vou poder comer tudo o que eu gostaria. Esse é o ponto: não podemos tudo, e quando dou o poder de decisão a uma criança, vou mostrando pra ela que ela pode decidir tudo e aí não imponho limites, não frustro, não falo NÃO. É aí que o problema se instala. O mundo, a vida, fala não o tempo todo e se não ouvimos isso desde pequeno como vou aceitar o Não quando for adulto? Não vou aceitar, vou procurar maneiras de continuar tendo o mesmo poder de decisão que tinha quando era criança ou então até vou aceitar, mas isso vai ser muito mais difícil do que já é. Isto é muito preocupante!
É preciso que os pais entendam que falar não faz bem, que é normal o filho ficar triste e chateado porque você não fez tudo o que ele queria, na verdade isso é necessário. 
Não se preocupe tanto se seu filho vai deixar de te amar se você fizer isto ou aquilo, se preocupe em fazê-lo te respeitar e aí terá o amor dele pra sempre. Eu amo quem eu respeito e admiro.

Jéssica Amadeu de Freitas Montanher
Psicóloga 
CRP 06/118656
Rua 18,2229 centro Jales/SP
Cel: (17) 99616-1564