jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

3 contra 1

por Lucas Rossafa
18 de fevereiro de 2018
Lucas Colombo Rossafa
Após 30 dias de partidas oficiais em 2018, começaram as cobranças mais acaloradas dos torcedores. A impaciência pela falta de regularidade, a dúvida frequente sobre o que cada elenco pode produzir e os tropeços em adversários bem inferiores são fatores que preocupam, simultaneamente, corintianos, são-paulinos e santistas.
O Timão, embora seja líder do Grupo A, já soma três derrotas no Estadual. Os tropeços diante de Santo André e São Bento ligaram o sinal de alerta e evidenciaram problemas na equipe. Se antes o time de Fábio Carille era visto como modelo de defesa, hoje não é bem assim. Cássio foi vazado em cinco dos setes jogos no ano e a bola parada tornou-se um problema. O Coringão sofre no posicionamento, bem explorado pelos adversários.
O treinador ainda não conseguiu encontrar os substitutos de Arana e Jô, negociados na última janela. Juninho Capixaba, contratado junto ao Bahia, ainda não conseguiu convencer na lateral-esquerda. Assim como o antigo dono da posição, apoia com qualidade, mas o desempenho na marcação deixa a desejar. As outras opções do elenco também não empolgam – Moisés e Guilherme Romão. O ataque também sofre horrores.
No Santos, Jair Ventura pena com as lesões de seus principais titulares e a falta de opções no plantel. Enquanto não tem força máxima à disposição, o Peixe já desperdiçou sete pontos contra os clubes do interior e sofre para vencer sem ser pressionado. O Alvinegro aposta no entrosamento entre Gabriel e Eduardo Sasha, no bom momento de Vanderlei e Lucas Veríssimo na defesa e no ressurgimento de Vitor Bueno, depois de oito meses no estaleiro.
O São Paulo, por sua vez, também tem problemas. Dorival Júnior ainda não conseguiu definir uma base titular, raramente empolga dentro de campo e tem dificuldades no sistema ofensivo. Apesar de liderar o Grupo B, o Tricolor tem média de um gol por jogo no Estadual e não tem um camisa 9 de peso – Diego Souza tem atuado por lá graças à venda de Lucas Pratto.
O Palmeiras é o único time que destoa dos demais. O time dirigido por Roger Machado, até o momento, tem a melhor campanha do Campeonato Paulista e, enquanto os rivais sofrem para engatar a terceira marcha, acelera sem ver ninguém no retrovisor. Se o Verdão fosse um carro, teria os melhores pneus, independente do piso, o motor mais potente, um motorista que transmite confiança e os melhores acessórios possíveis. Ou seja, 2018 começou tranquilo e favorável para os palestrinos.

Lucas Colombo Rossafa
 (jalesense, aluno do 4°ano de jornalismo da  PUC/Campinas) 
Twitter @lucas_rossafa