domingo 28 novembro 2021
Perspectivas

25 anos de irregularidades

 

A Câmara Municipal de Jales aprovou na reunião de segunda-feira, dia 7 de novembro, o Projeto de Lei que regulamenta o estacionamento rotativo, a chamada Área Azul.
O projeto, agora transformado em lei, põe fim a uma prática desorganizada que perdurava há uns 25 anos,pois a Zona Azul, como tal era conhecida, funcionava  sem o respaldo de legislação, quase informalmente, o que a enfraquecia no aspecto da fiscalização.
A partir de agora, o usuário do quadrilátero central poderá estacionar o seu veículo nas vagas existentes por até duas horas, após as quais será abordado  pelos fiscais para  desocupar o espaço ou pagar novamente.
O projeto também dá à Prefeitura a opção de administrar a Área Azul com sua própria estrutura ou terceirizar os serviços para  a iniciativa privada.
Como presidente da Associação Comercial e Empresarial, a entidade de classe que reúne as empresas que mais geram postos de trabalho em Jales, em nome da diretoria,  quero parabenizar o prefeito Humberto Parini,  que apresentou o projeto, e os vereadores que o aprovaram.
O comércio de uma cidade como a nossa, centro de região,não poderia continuar convivendo com uma situação que gerava desconforto para os clientes. 
Considero que a regulamentação da Área Azul foi um importante passo para colocar ordem na casa, tirando da zona de conforto aqueles que estacionavam os carros e ficavam zanzando pelo centro sem dar lucro para o comércio.
Mas,  há outras providências a serem tomadas.
Uma delas é fazer funcionar os bolsões reservados para as motocicletas. Não adianta só demarcar o solo.Como reza o Código de Trânsito Brasileiro,  tem que haver também a sinalização vertical, sem a qual  os PMs ficam impossibilitados de agir.     
Também é preciso estabelecer diferenças entre estacionamento de emergência e reserva de estacionamento. O estacionamento de emergência, exceto para hospitais e instituições afins,deve ficar no meio do quarteirão. O motorista do veículo que ocupar a vaga só poderá usá-lo por 15 minutos e com o pisca-pisca ligado. Fora disso, é privilégio para determinados tipos de estabelecimentos.
Outro privilégio que precisa ser atacado é o uso do espaço de carga e descarga fora dos horários estabelecidos, o que diminui o número de vagas que deveriam estar à disposição de quem compra e faz a roda do comércio girar.
Creio ser do interesse de todos, principalmente dos comerciantes, facilitar a vida de nossos clientes. 
Por esta razão, estaremos sempre apoiando o poder público, no caso a Secretaria Municipal de Planejamento de Trânsito, quando houver necessidade de usar a lei em favor da melhor  organização da cidade.
 
 ANTONIO JOSÉ DA CRUZ
(presidente da Associação Comercial e Empresarial de Jales)
Desenvolvido por Enzo Nagata