quarta 14 abril 2021
Arquibancada

100% com Tite

Quando a fase é boa, até o torcedor tem a convicção de que a vitória é apenas questão de tempo. Com mais uma atuação modesta, o Brasil fez valer a sua superioridade no segundo tempo, bateu o Peru, por 2 a 0, emLima, e praticamente assegurou a vaga na Copa do Mundo de 2018.
A “Era Tite” continua empolgante. Em seis jogos, seis vitórias, 17 gols marcados, somente um sofrido e incríveis 100% de aproveitamento. O triunfo sobre os peruanos assegurou um feito histórico: esta é apenas a segunda vez que a Seleção conquista seis triunfos consecutivos em uma mesma edição de Eliminatórias. A única vez havia sido para o Mundial de 1970, quando o time comandado por João Saldanha venceu os seis primeiros jogos.
O primeiro tempo em Lima pode ser definido como o pior sob novo comando. Assim como diante da Argentina, o Brasil viu o adversário começar melhor. Os donos da casa pressionaram, acertaram bola na trave com Carrillo e quase abriram o placar antes dos dez minutos. A Seleção só melhorou graças à inteligência tática de Tite. A inversão do posicionamento de Paulinho e Renato Augusto no meio campo surtiu efeito. Com o controle do jogo, mesmo com alto número de passes errados, a equipe verde-amarela passou a finalizar mais, apesar da falta de capricho, já que Neymar esteve bem marcado.
No segundo tempo, os conhecidos erros cometidos na saída de bola continuaram. Porém, mais uma vez, não passou de um susto. A posse da pelota foi essencial para o Brasil abrir o placar com Gabriel Jesus. A revelação do Palmeiras teve tranquilidade para estufar a rede de Gallese Foi fatal como um centroavante deve ser. A abertura do marcador fez o Peru sair para o jogo e ofereceu o contra-ataque à Seleção. Era justamente o que Tite buscava. Neymar, que já havia acertado o travessão, serviu Renato Augusto. O meio-campista foi o responsável por fechar com chave de ouro a temporada 2016.
O desempenho impecável brasileiro é consequência do jogo coletivo. Mas isso só funciona quando o time é muito bem treinado.A equipe ganhou consistência mais rápido do que se imaginava. O resultado traz confiança, principalmente pela resposta que os jogadores deram em campo, quando a partida estava empatada. A mescla de jogadores jovens com experientes tem sido fundamental para o amadurecimento do elenco.
Outro ponto interessante que o novo técnico implantou foi a variação tática, raramente observada com Dunga. Agora, a mudança de posicionamento entre os atletas tem se tornado frequente. Daniel Alves, por exemplo, tem atuado pelo meio-campo, proporcionando mais opções para a sair jogando. Philippe Coutinho, caracterizado pela rapidez e versatilidade, tem jogado centralizado e também cai pelas pontas. Quando há um comando de verdade, é outra coisa, meus amigos!
O terceiro triunfo em sequência fora de casa mantém o Brasil na liderança das Eliminatórias, com 27 pontos e quatro a mais do que o vice-líder Uruguai, próximo adversário da Seleção. O confronto entre os dois melhores colocados acontece em 23 de março, em Montevidéu. A Celeste não vai poder contar com o goleiro Fernando Muslera e o atacante Luis Suárez, ambos suspensos pelo segundo cartão amarelo.
Nesse intervalo de quatro meses, muita coisa pode – e deve – acontecer. Jesus, depois do Campeonato Brasileiro, irá para o Manchester City, onde vai passar por um período de adaptação. Se no Verdão é protagonista, na Inglaterra ainda é uma incógnita. O goleiro Alisson, na Roma, normalmente, tem sido reserva. Paulinho e Renato Augusto, que atuam na China, não devem disputar partidas oficiais nessa pausa. A confiança de Tite e o acompanhamento de especialistas no período serão fundamentais para futuras convocações.

Lucas Colombo Rossafa
 (jalesense, aluno do 2°ano de jornalismo da  PUC/Campinas)
Desenvolvido por Enzo Nagata