quarta 14 abril 2021
Geral

por Luiz Ramires
 
Uma crise econômica que se agrava com a crise política não resolvida. Uma situação que permanece e pode trazer ainda mais dificuldades no ano que se inicia. Em nível local, as dificuldades da administração municipal com falta de dinheiro para tudo que se imagina. 
Como o quadro para 2016 não é tão animador, a pergunta que se faz é como atravessar tudo isso, superando as dificuldades ou mesmo ignorando uma situação que pode ser administrada com trabalho e criatividade, como muitos acreditam.
Perguntamos a algumas lideranças com atuação na nossa comunidade o que esperar do próximo ano. Ninguém ignora as dificuldades, mas as receitas para contornar as adversidades podem fazer a diferença.
 
Só nos resta acreditar no país e no povo
Analice Fernande
Deputada estadual 
 
Todos que me conhecem sabem que sempre fui uma pessoa otimista ao longo da minha vida, tanto no aspecto pessoal, quanto no aspecto público.
No entanto, acho muito difícil ser otimista em relação ao ano de 2016. Explico o porquê.
Ao longo de 2015 o Brasil sofreu um grande desmanche econômico e institucional como desdobramentos da operação “Lava-Jato” e da inaptidão do Governo Federal em colocar as contas em ordem.
No campo econômico tivemos uma inflação de 11% em 2015, muito em função dos preços que não foram ajustados (e deveriam ter sido) no ano da reeleição de Dilma; investimentos deixaram de ser feitos; e o Governo Federal continuou com a gastança do dinheiro público que não foi revertido em saúde, educação e segurança.
No campo institucional, assistimos ao esfacelamento da base política de uma presidente que tenta se segurar no poder a qualquer custo; diversos políticos de peso sendo investigados ou presos; e ao desmanche dos principais conglomerados econômicos do país.
Quanto a nós, só nos resta uma coisa: - acreditar nas potencialidades do nosso País e na força do trabalho do povo brasileiro.
 
 
 
O Brasil é maior que suas crises
Edinho Araújo 
Deputado federal
 
Vimos o ano de 2015 se encerrar com uma preocupante desagregação dos valores mais caros à vida em sociedade, com crescimento da intolerância e da violência.
No Brasil, a turbulência política atinge em cheio a economia, destruindo empregos e renda da população. A ninguém interessa o aprofundamento da crise em 2016.
O Brasil precisa de um entendimento nacional para voltar a caminhar a passos seguros. Sem estabilidade política não haverá retomada da economia.
Conhecedor das dificuldades financeiras por que passam prefeituras, hospitais e entidades assistenciais estou priorizando as verbas de emendas parlamentares para essas áreas em 2016.
Minha palavra é de esperança e de crença no potencial do Brasil, que já provou ser maior que suas crises.
Que Deus nos abençoe e nos dê coragem e sabedoria para enfrentar todos os desafios de 2016!
 
 
 
Desafios para todos
 
Carlos Toshiro Sakashita  - Empresário
 
 Cenário global: 2016 = será um ano de desafio aos empresários que movimentam a economia interna do país, pela alta dos juros e poucas linhas de crédito para financiamentos a pequenas e médias empresas. Será um ano de ajustes de custos, tendo como uma das consequências o desemprego da população ativa, gerando com isso pouca atividade (movimentação financeira) no comércio varejista.
Com referência ao cenário econômico para 2016 no varejo – especificamente  supermercados – vejo um ano com muitas dificuldades também, pois o cenário político-econômico atual não dá segurança aos empresários para investirem em novos empreendimentos. Consequentemente, não haverá contratações. Teremos uma migração de consumo de  produtos A para produtos B do mesmo segmento.
Os empregados também terão desafios, pois haverá uma movimentação pelas empresas que estarão buscando menores custos, isto é, procurando profissionais  mais qualificados.
 
Temos que seguir lutando 
Fabrício Fuga Empresário 
 
 “Creio que 2016 será um ano muito difícil, de muitas incertezas políticas e econômicas. Mas como essa realidade não é novidade no Brasil e no mundo, porque já atravessamos várias crises, temos que seguir lutando, fazendo o melhor para vencê-la. Também acredito que quem estiver capitalizado poderá tirar bom proveito desse cenário, invertendo a situação e aproveitando a crise para crescer.”
 
 
 
 
 Mais atitudes e menos promessas
 
JOSÉ PEDRO VENTURINI - Empresário 
 
 O tão falado ajuste econômico as empresas privadas já fizeram, desde demissões de funcionários até fechamento de unidades e paralisação de turnos.
Infelizmente o governo não conseguiu, pois diferentemente do setor privado, quer fazer o ajuste através do aumento de receitas com o aumento de impostos. Para 2016, a maioria das empresas está preparada e há uma tendência de estabilização do mercado. Quanto aos investimentos, esses somente voltarão com credibilidade e isso só se conquista com atitudes e não promessas.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Cada um fazendo a sua parte
Alexandre Alves Rensi
Presidente do Sindicato do Comércio Varejista 
 
Sob o ponto de vista do País, infelizmente nossas previsões para 2015 se mostraram até piores. E com o agravamento da crise, e ainda sem termos um novo e correto caminho a seguir, a previsão para 2016 é de um quadro com uma recessão mais agravada ainda. Os parâmetros deverão ser os seguintes:
- Maior queda na atividade econômica em geral.
- Consequentemente teremos índices recordes de desemprego com maior fechamento de empresas.
- Passaremos a ter maiores tensões sociais, com mais movimentos populares pelas ruas.
Logicamente não é o fim do mundo, mas cabe a todos fazerem a sua parte. O governo pode tentar iniciar a reversão deste problema simplesmente gastando somente o que arrecada, nós cidadãos comuns também devemos ser mais eficientes na administração de nossas casas, sem entrar em novas dívidas, procurando sempre otimizar nossas despesas frente aos nossos ganhos.
Gostaríamos de poder traçar um quadro mais positivo, sabemos que as crises são cíclicas, mas uma melhora não deve ser esperada para o próximo ano. Com a ajuda de Deus passaremos 2016, e quem sabe desfrutemos melhoras em 2017!
 
 
 
 
 
 
 
Otimismo e trabalho para a superação
 
Osvaldo Costa 
Júnior (Bexiga) 
Empresário
 
Vejo 2016 como o ano da superação.
Fala-se em crise, que a situação pode piorar, mas eu não vejo assim. 
Eu acredito que quem complica são as pessoas, são as expectativas em baixa.
Acredito que a saída está na força de vontade de cada um, inclusive dos nossos políticos.
O Brasil é muito maior do que tudo isso. Aqui não temos guerra, não temos fome, isso sim é muito pior que qualquer crise que não passa de uma briga de poder ou forma de se desculpar pela má administração do país.
Temos que deixar a crise de lado, esquecer. Vamos superar tudo isso trabalhando e pensando positivo.
Precisamos ter fé e acreditar na nossa força.
 
 
 

Trabalhando para superar as dificuldades

Carlos Roberto Altimari 

Presidente da Associação Comercial e Industrial
 
As consequências da situação política e financeira refletem no nosso segmento. Nós passamos 2015 trabalhando para amenizar o problema, principalmente no final do ano. Minha gestão na ACIJ termina em março, mas enquanto eu estiver no cargo estarei trabalhando nesse sentido, para superar esse período de dificuldades que deve continuar em 2016.
Já vamos começar janeiro pensando até dezembro. Não vamos facilitar. As expectativas são negativas, mas como a ACIJ fez um diferencial no final de 2015, estaremos fazendo o mesmo, desde o início de 2016. 
Temos que reduzir o impacto negativo e para isso contamos com o apoio dos empresários que precisam ficar atentos sobre tudo o que acontece. Não podemos dizer que saímos fortalecidos financeiramente com as crises, mas não temos dúvida de que com elas a gente tem sempre muito o que aprender.
 
 
 
 
 
União para o desenvolvimento
José Roberto Duarte da Silveira - Presidente do Sindicato dos Motoristas
 
Embora também nos atinja como cidadãos brasileiros, a situação vivida pelo país muitas vezes acaba nos afastando das preocupações locais, quando temos que pensar naquilo que realmente podemos fazer, com a participação de todos, para promover o desenvolvimento.
Espero que o ano que começa seja, finalmente, o ano da união e do planejamento, com o aproveitamento das oportunidades para promovermos o desenvolvimento, revertendo essa paradeira que coloca Jales em uma posição de inferioridade, em termos regionais.
Trabalho, união e planejamento. Acredito que esse tripé, com o despojamento necessário para discutirmos com isenção as nossas necessidades, vão nos levar para uma situação bem melhor, já em 2016.
Onde isso aconteceu, o quadro mudou radicalmente. Nem precisamos dar exemplos. É isso que espero em 2016.
 
 
 
 
Mobilização e defesa dos direitos
 
Maria Ramires 
Presidente do Sindicato dos 
Comerciários
 
Espero que em 2016 a situação política do país possa ser resolvida para que a situação econômica também possa caminhar de forma mais positiva ou menos conturbada. Enquanto durar essa indefinição, enquanto essa disputa pelo poder não for resolvida, vamos continuar tendo problemas na economia e quem perde com isso são principalmente os trabalhadores que já viram alguns dos seus direitos irem para o espaço. 
Temos que resistir às mudanças que prejudiquem ainda mais os trabalhadores que são os verdadeiros responsáveis pela produção das nossas riquezas.
Vamos nos mobilizar, vamos exigir soluções rápidas para os problemas políticos e combater a corrupção. Acredito que dessa forma a situação econômica também vai ser resolvida.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Unindo as forças para acontecer
Clóvis Viola 
Empresário e ex-vice-prefeito 
 
Esperamos que em 2016 as coisas possam melhorar de fato e que haja uma união de forças para que isso aconteça.
Acima de tudo, devemos conservar nossa autoestima, mesmo diante dos obstáculos e desafios que estão por vir.
Com as bênçãos e graça de Deus, espero que todos os jalesenses possam ter um feliz 2016!!!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Entrando nos trilhos sem vaidades
José Devanir 
Rodrigues (Garça)
Provedor da Santa Casa
 
Que 2016 nos traga o maior bem: a paz, o amor, o respeito entre a humanidade.
Gostaria de ver os nossos governantes dando mais atenção para saúde e educação. Nenhum País será grande se não investir nessas áreas de suma importância.
Um povo com educação e saúde sabe o que quer, elevando sua qualidade de vida.
Gostaria de ver todos os corruptos na cadeia.
O cenário para o Brasil em 2016 indica que será sombrio, mas torço para que tal previsão esteja errada.
Quero ver minha cidade de Jales entrando nos trilhos e um futuro de união, sem vaidades e traições.  
Com muita esperança, Feliz 2016.
 
 
 
Mais seriedade e responsabilidade
 
Júnior Rodrigues
Vereador
 
Desejo a toda a população de Jales um feliz 2016 e que neste ano que vamos começar possamos mais ainda moralizar nossos feitos, fazendo tudo, no pessoal e no meio político, com seriedade e responsabilidade.
Que a nossa cidade tome o rumo certo!
Desenvolvido por Enzo Nagata