sexta 05 junho 2020
Política

Os rumores de que estaria em andamento um entendimento para  romper o acordo firmado para que o vereador Rivail Rodrigues Júnior, o Júnior Rodrigues (PSB), vice-presidente da Câmara, assuma a presidência na próxima legislatura, fizeram com que o atual presidente, Nivaldo Batista Oliveira, o Tiquinho (DEM) desse uma entrevista em tom bastante indignado, no final da última sessão ordinária, dia 5 de outubro, segunda-feira. 
Tiquinho não nega que foi procurado por algumas pessoas que ele não quis dar os nomes, para que liderasse um acordo onde já teria os votos de quatro vereadores, que também o procuraram, para permanecer no cargo.
 
MODA ANTIGA
Na entrevista, Tiquinho fez afirmações como estas: “A pessoa tem que ter caráter. Eu sou da moda antiga. Então, não precisa assinar nada, como nós assinamos, não precisa nada disso. O homem tem que ter caráter. Eu não posso falar uma coisa aqui, hoje, e amanhã mudar minha palavra. Quem me conhece sabe o que eu vou fazer no final do ano. Eu acredito que pelo menos vergonha na cara eu tenho. O que eu falei, eu vou cumprir.”
Tiquinho disse que já havia falado e reafirmado que votaria no seu colega Júnior Rodrigues (PSB) para presidente. Ele fez questão de insistir em afirmar que o seu voto vai para Júnior Rodrigues e que da sua parte não existe qualquer possibilidade de acordo para que ele ou outro vereador ocupe a presidência do Legislativo no ano que vem, fora do que ficou acertado. 
O acordo a que ele se refere foi firmado logo após as eleições, em 2012 e previa que a vereadora Pérola Fonseca Cardoso (PT), seria presidente da Câmara em 2013, Gilberto Alexandre de Moraes (DEM), em 2014, Tiquinho, em 2015 e Júnior Rodrigues em 2016.
 
Desenvolvido por Enzo Nagata